APRESENTADO A COMARCA PARA O MUNDO E O MUNDO PARA A COMARCA

TEMOS O APOIO DE INFOMANIA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA Fones 9986 1218 - 3432 1208 - AUTO-MECÂNICA IDEAL FONE 3432-1791 - 9916-5789 - 9853-1862 - JOALHERIA OURO BRANCO 44 9839-3200 - NOVA ÓTICA Fone (44) 3432 -2305 Cel (44) 8817- 4769 Av. Londrina, 935 - Nova Londrina/PR - VOCÊ É BONITA? VENHA SER A PRÓXIMA BELA DA SEMANA - Já passaram por aqui: PAOLA ALVES - MORGANA VIOLIM - MAIQUELE VITALINO - BRENDA PIVA - ESTEFANNY CUSTÓDIO - ELENI FERREIRA - GIOVANA lIMA - GIOVANA NICOLINI - EVELLIN MARIA - LOHAINNE GONÇALVES - FRANCIELE ALMEIDA - LOANA XAVIER - GABRIELA CRUZ- KARINA SPOTTI - TÂNIA OLIVEIRA - RENATA LETÍCIA - TALITA FERNANDA - JADE CAROLINA - TAYNÁ MEDEIROS - BEATRIZ FONTES - LETYCIA MEDEIROS - MARYANA FREITAS - THAYLA BUGADÃO NAVARRO - LETÍCIA MENEGUETTI - STEFANI ALVES - CINDEL LIBERATO - RAFA-REIS - BEATRYZ PECINI - IZABELLY PECINI - THAIS BARBOSA - MICHELE CECCATTO - JOICE MARIANO - LOREN ZAGATI - GISELE BERNUSSO - RAFAELA RAYSSA - LUUH XAVIER - SARAH CRISTINA - YANNA LEAL - LAURA ARAÚJO TROIAN - GIOVANNA MONTEIRO DA SILVA - PRISCILLA MARTINS RIL - GABRIELLA MENEGUETTI JASPER - MARIA HELLOISA VIDAL SAMPAIO - HELOÍSA MONTE - DAYARA GEOVANA - ADRIANA SANTOS - EDILAINE VAZ - THAYS FERNANDA - CAMILA COSTA - JULIANA BONFIM - MILENA LIMA - DYOVANA PEREZ - JULIANA SOUZA - JESSICA BORÉGIO - JHENIFER GARBELINI - DAYARA CALHEIROS - ALINE PEREIRA - ISABELA AGUIRRE - ANDRÉIA PEREIRA - MILLA RUAS - MARIA FERNANDA COCULO - FRANCIELLE OLIVEIRA - DEBORA RIBAS - CIRLENE BARBERO - BIA SLAVIERO - SYNTHIA GEHRING - JULIANE VIEIRA - DUDA MARTINS - GISELI RUAS - DÉBORA BÁLICO - JUUH XAVIER - POLLY SANTOS - BRUNA MODESTO - GIOVANA LIMA - VICTÓRIA RONCHI - THANYA SILVEIRA - ALÉKSIA LAUREN - DHENISY BARBOSA - POLIANA SENSON - LAURA TRIZZ - FRANCIELLY CORDEIRO - LUANA NAVARRO - RHAYRA RODRIGUES - LARISSA PASCHOALLETO - ALLANA BEATRIZ - WANDERLÉIA TEIXEIRA CAMPOS - BRUNA DONATO - VERÔNICA FREITAS - SIBELY MARTELLO - MARCELA PIMENTEL - SILVIA COSTA - JHENIFER TRIZE - LETÍCIA CARLA -FERNANDA MORETTI - DANIELA SILVA - NATY MARTINS - NAYARA RODRIGUES - STEPHANY CALDEIRA - VITÓRIA CEZERINO - TAMIRES FONTES - ARIANE ROSSIN - ARIANNY PATRICIA - SIMONE RAIANE - ALÉXIA ALENCAR - VANESSA SOUZA - DAYANI CRISTINA - TAYNARA VIANNA - PRISCILA GEIZA - PATRÍCIA BUENO - ISABELA ROMAN - RARYSSA EVARISTO - MILEIDE MARTINS - RENATHA SOLOVIOFF - BEATRIZ DOURADO - NATALIA LISBOA - ADRIANA DIAS - SOLANGE FREITAS - LUANA RIBEIRO - YARA ROCHA - IDAMARA IASKIO - CAMILA XAVIER - BIA VIEIRA - JESSICA RODRIGUES - AMANDA GABRIELLI - BARBARA OLIVEIRA - VITORIA NERES - JAQUE SANTOS - KATIA LIMA - ARIELA LIMA - MARIA FERNANDA FRANCISQUETI - LARA E LARISSA RAVÃ MATARUCO - THATY ALVES - RAFAELA VICENTIN - ESTELLA CHIAMULERA - KATHY LOPES - LETICIA CAVALCANTE PISCITELI - VANUSA SANTOS - ROSIANE BARILLE - NATHÁLIA SORRILHA - LILA LOPES - PRISCILA LUKA - SAMARA ALVES - JANIELLY BOTA - ELAINE LEITE CAVALCANTE - INGRID ZAMPOLLO - DEBORA MANGANELLI - MARYHANNE MAZZOTTI - ROSANI GUEDES - JOICE RUMACHELLA - DAIANA DELVECHIO - KAREN GONGORA - FERNANDA HENRIQUE - KAROLAYNE NEVES TOMAS - KAHENA CHIAMULERA - MACLAINE SILVÉRIO BRANDÃO - IRENE MARY - GABRIELLA AZEVEDO - LUANA TALARICO - LARISSA TALARICO - ISA MARIANO - LEIDIANE CARDOSO - TAMIRES MONÇÃO - ALANA ISABEL - THALIA COSTA - ISABELLA PATRICIO - VICTHORIA AMARAL - BRUNA LIMA - ROSIANE SANTOS - LUANA STEINER - SIMONE OLIVEIRA CUSTÓDIO - MARIELLE DE SÁ - GISLAINE REGINA - DÉBORA ALMEIDA - KIMBERLY SANTOS - ISADORA BORGHI - JULIANA GESLIN - BRUNA SOARES - POLIANA PAZ BALIEIRO - GABRIELA ALVES - MAYME SLAVIERO - GABRIELA GEHRING - LUANA ANTUNES - KETELEN DAIANA - PAOLLA NOGUEIRA - POLIANY FERREIRA DOS ANOS - LUANA DE MORAES - EDILAINE TORRES - DANIELI SCOTTA - JORDANA HADDAD - WINY GONSALVES - THAÍSLA NEVES - ÉRICA LIMA CABRAL - ALEXIA BECKER - RAFAELA MANGANELLI - CAROL LUCENA - KLAU PALAGANO - ELISANDRA TORRES - WALLINA MAIA - JOYCE SAMARA - BIANCA GARCIA - SUELEN CAROLINE - DANIELLE MANGANELLI - FERNANDA HARUE - YARA ALMEIDA - MAYARA FREITAS - PRISCILLA PALMA - LAHOANA MOARAES - FHYAMA REIS - KAMILA PASQUINI - SANDY RIBEIRO - MAPHOLE MENENGOLO - TAYNARA GABELINI - DEBORA MARRETA - JESSICA LAIANE - BEATRIS LOUREIRO - RAFA GEHRING - JOCASTA THAIS - AMANDA BIA - VIVIAN BUBLITZ - THAIS BOITO - SAMIA LOPES - BRUNA PALMA - ALINE MILLER - CLEMER COSTA - LUIZA DANIARA – ANA CLAUDIA PICHITELLI – CAMILA BISSONI – ERICA SANTANA - KAROL SOARES - NATALIA CECOTE - MAYARA DOURADO - LUANA COSTA - ANA LUIZA VEIT - CRIS LAZARINI - LARISSA SORRILHA - ROBERTA CARMO - IULY MOTA - KAMILA ALVES - LOISLENE CRISTINA - THAIS THAINÁ - PAMELA LOPES - ISABELI ROSINSKI - GABRIELA SLAVIERO - LIARA CAIRES - FLÁVIA OLIVEIRA - GRAZI MOREIRA - JESSICA SABRINNI - RENATA SILVA -SABRINA SCHERER - AMANDA NATALIÊ - JESSICA LAVRATE - ANA PAULA WESTERKAMP- RENATA DANIELI - GISELLY RUIZ - ENDIARA RIZZO - *DAIANY E DHENISY BARBOSA - KETLY MILLENA - MICHELLE ENUMO - ISADORA GIMENES - GABRIELA DARIENSO - MILENA PILEGI - TAMIRES ONISHI - EVELIN FEROLDI - ELISANGELA SILVA - PAULA FONTANA CAVAZIM - ANNE DAL PRÁ - POLLIANA OGIBOWISKI - CAMILA MELLO - PATRICIA LAURENTINO - FLOR CAPELOSSI - TAMIRES PICCOLI - KATIELLY DA MATTA - BIANCA DONATO - CATIELE XAVIER - JACKELINE MARQUES - CAROL MAZZOTTI - DANDHARA JORDANA - BRENDA GREGÓRIO - DUDA LOPES - MILENA GUILHEN - MAYARA GREGÓRIO - BRUNA BOITO - BETHÂNIA PEREIRA - ARIELLI SCARPINI - CAROL VAZ - GISELY TIEMY -THAIS BISSONI - MARIANA OLIVEIRA - GABRIELA BOITO - LEYLLA NASCIMENTO - JULIANA LUCENA- KRISTAL ZILIO - RAFAELA HERRERA - THAYANA CRISTINA VAZ - TATIANE MONGELESKI - NAYARA KIMURA - HEGILLY CORREIA MIILLER - FRANCIELI DE SANTI - PAULA MARUCHI FÁVERO - THAÍS CAROLINY - IASMIM PAIVA - ALYNE SLAVIERO - ISABELLA MELQUÍADE - ISABELA PICOLLI - AMANDA MENDES - LARISSA RAYRA - FERNANDA BOITO - EMILLY IZA - BIA MAZZOTTI - LETICIA PAIVA - PAOLA SLAVIERO - DAIANA PISCITELLE - ANGELINA BOITO - TALITA SANTOS Estamos ha 6 anos no ar - Mais de 700 acessos por dia, mais de um milhão de visualizações - http://mateusbrandodesouza.blogspot.com.br/- Obrigado por estar aqui, continue com a gente

domingo, 18 de outubro de 2015

O sapo de três cabeças, o escorpião e o tucano: uma adaptação contemporânea


Por *Pedro Munhoz

Diz uma antiga fábula que, em um certo país governado por um grande e inerte sapo de três cabeças, um escorpião, muito peçonhento e esperto, sobre quem recaíam sérias denúncias de recebimento de propinas, contas ilegais no exterior e intimidação de testemunhas, foi informado por seu advogado de que, para livrar a própria carcaça, precisaria atravessar um caudaloso e lamacento rio. Do outro lado do rio, disse o advogado, o escorpião encontraria, além do esquecimento dos crimes cometidos por ele, um saboroso plantel de pequenos mamíferos indefesos e atordoados para que ele se alimentasse até a saciedade e, também, variadas e novas oportunidades de novos ganhos financeiros, que fariam do escorpião um animal peçonhento ainda mais rico, bem nutrido, poderoso e influente.

O escorpião, no entanto, sabedor de que seria incapaz de atravessar o rio sozinho, firmou uma série de acordos com um bando de ratos que faziam parte da corte do sapo de três cabeças mas que, na verdade, nunca haviam sido lá muito simpáticos ao velho batráquio-rei. Os ratos, por conta da terra-arrasada que havia se tornado uma inegável realidade do lado de cá do rio, também desejavam atravessar para a outra margem, onde, dizia-se, existiam, além de tudo, as maiores e melhores pizzarias do reino.

O objetivo do consórcio entre o escorpião e os ratos era, por meio de uma série de chantagens e ameaças, fazer com que o sapo transportasse a todos, em segurança, nas suas costas, para o outro lado do rio. Afinal, sapos sabem ou deveriam saber atravessar rios e aquele sapo em especial, que governava um país, tinha as costas largas o bastante para transportar para outra margem todos os animaizinhos rebeldes, tanto o escorpião, quanto sua legião de ratos.

Porém, o escorpião sabia que o sapo já não era tão grande e forte como já fora um dia e, apenas para garantir, foi conversar com o ressentido tucano das montanhas, que há muito tempo, pretendia depor o sapo e passar a governar o país. Afinal, o tucano, por, em tese, saber voar, também seria capaz de transportar o escorpião em suas costas para a outra margem do rio, onde jorrava leite, mel e petróleo do pré-sal, mas não existia Ministério Público.

O escorpião encontrou-se com o tucano no fabuloso balneário de Leblônia, onde a ave se refugiara após perder a última batalha pelo trono para o sapo, para tentarem um acordo, mas o que o animal peçonhento acabou encontrado não lhe deixou lá muito seguro. O pássaro estava com o grande e imponente bico inchado e torto, a asa esquerda estava quebrada; a direita, hipertrofiada. Além disso, o outrora vistoso pássaro tropical parecia obcecado, paranóico, vacilante e havia se rodeado por um barulhento exército de galinhas verdes bastante ariscas, que começavam a bicar panelas de alumínio cada vez que o nome do sapo de três cabeças era mencionado, ou que viam suas fotos nos jornais ou sua imagem nas redes de televisão do reino.

O tucano ficou feliz com a conversa e muito contente de saber que o escorpião havia reunido um exército de ratos para achacar e pressionar o sapo a atravessar o rio e fez uma proposta ao animal peçonhento: se o lacrau conseguisse afogar o batráquio no rio, sem deixá-lo chegar à outra margem, o tucano se encarregaria de transportar o escorpião para onde quisesse. O escorpião não disse nem que sim que não, sorriu, brindou com o combalido tucano e voltou para sua toca para pensar nas possibilidades que tinha diante de si.

A ave, por sua vez, após se despedir do escorpião, sorveu, rapidamente, uma dose generosa de whisky cowboy e pensou: "Eu jamais vou colocar esse animal venenoso por sobre a minha plumagem macia para transportá-lo para onde quer que seja. Ele pode me aferroar, está em sua natureza. Vou deixar que ele afogue o sapo de três cabeças, meu inimigo,e depois vou deixá-lo entregue à própria sorte."
...........................................

O sapo que governava aquele país, como já foi dito, tinha três cabeças. A do centro, ostentava o rosto de uma mulher e parecia pensar de forma mais burocrática, endurecida e seca. No seu papel de cabeça central, caberia a ela colocar, em condições normais, as duas cabeças periféricas em seus devidos lugares e, por alguns anos, claramente, foi a cabeça predominante. A cabeça da esquerda era a de um homem barbudo, que fumava um charuto e usava uma boina vermelha.Gritava constantemente palavras de ordem e era boa para discursar para a população mais pobre do país, sendo, também, bastante combativa em batalhas, como aquela que derrotou o tucano das montanhas. Não parecia gostar muito de sua nêmese, a cabeça mais à direita que, por sua vez, tinha o rosto de um homem imberbe, com gravata borboleta e óculos de aros metálicos, redondos. Esta cabeça só falava em números, soltava um risinho cínico todas as vezes que a cabeça da esquerda abria a boca e vivia reclamando, dizendo que o corpo do sapo estava grande demais, que era necessário diminuir o tamanho do sapo e que o povo daquele país precisava de fazer sacrifícios junto com o sapo, para que ambos ficassem cada vez menores, mais fracos, porém mais leves e esguios. Quando falava demais, a cabeça à destra, obcecada com silhueta, arrumação e números, acabava emitindo trinados exatamente iguais ao do tucano das montanhas, levantando suspeitas em todos de que aquela porção do sapo tinha, na verdade, origem ornitológica.

O rei só era capaz de decidir algo e de se movimentar em alguma direção quando havia alguma concordância entre as três cabeças ou, pelo menos, quando uma delas apenas era vencida e se resignava. Para tanto, a cabeça do centro exercia um papel primordial, de juíza do que diziam as demais. Desde a última batalha contra o tucano, porém, a cabeça do centro parecia distante, um pouco perdida, dormindo demais. Para tornar a situação ainda mais complexa, na última guerra, o sapo havia se cercado de uma corte nada confiável de ratos, alguns dos quais, como já se disse, haviam se aliado ao escorpião. Com a cabeça do centro reduzida a um estado de torpor e à batráquia função de, vez ou outra, comer moscas (comer moscas, nunca se esqueçam, é algo próprio da natureza dos sapos); os ratos ganharam força e decidiriam que, sozinhos, governariam o país; a cabeça da esquerda passou a tentar enxergar no torpor e no degustar insetos da cabeça central, sua líder, alguma insondável, incompreensível, porém genial estratégia revolucionária que a levaria, guiada pela cabeça central, a derrotar a antipática cabeça da direita e a sepultar, definitivamente, o maligno tucano das montanhas; a cabeça da direita, por sua vez, passou, sozinha, a elaborar escorchantes e absurdos decretos para reger o país, falando sempre em nome da cabeça central, que não manifestava nenhum tipo de oposição às cada vez mais impopulares medidas.

Não bastasse esse confuso estado de coisas, o tucano vencido na última batalha e seu exército de galinhas verdes, inconformados com a derrota, tramavam, às vistas de todos, afogar o sapo no rio para assumir o poder. Como o sapo não reagisse e, com a maligna cabeça da direita ditando as regras, boa parte do povo do país, que lutara a favor do sapo na última batalha, começou a pensar que ver o sapo se afogando no rio talvez não fosse assim uma idéia tão má. Afinal, apenas a cabeça da direita estava governando de fato e, ultimamente, dizia-se, estava tão parecida com o tucano da montanha que tinha até desenvolvido, no lugar do nariz, um pequeno bico que, no entanto, crescia um pouco a cada dia.

Foi esse sapo adoentado, mero reflexo de sua antiga grandeza, que, dizem por aí, acabou topando se encontrar com o escorpião para tentar um acordo. O influente animal peçonhento, que, repetidas vezes, havia ameaçado o sapo de afogamento e sempre exibia para o batráquio seu imenso e venenoso ferrão de forma ameaçadora, teria dito, com sua voz macia, que, caso o sapo concordasse em transportar a ele e a alguns ratos em suas costas para a margem segura do rio, poderia, muito bem, apontar o seu ferrão contra o tucano da montanha e suas galinhas no decorrer da travessia, garantindo, assim, que o sapo chegaria, também, do outro lado em segurança.

Como as três cabeças do sapo não andam funcionando muito bem, talvez elas tenham se esquecido do fato de que o tucano, ferido e também doente, provavelmente não tem, hoje, muita autonomia de vôo, além de não saber nadar. Que suas galinhas verdes, apesar de barulhentas e de ciscarem o alumínio com maestria ímpar, nunca souberam voar (e caso resolvam andar com os patos ou sapos, morrerão afogadas, pois também, de águas e correntezas, não entendem nada).

Talvez as três cabeças do sapo tenham se esquecido que o ferrão do escorpião só trabalha por ele e de que está na natureza desse animal, infelizmente, inocular veneno. Que qualquer travessia, com um escorpião venenoso e traiçoeiro nas costas, talvez seja longa e perigosa demais. Talvez.

Se o sapo tem dúvidas, poderá sempre perguntar às algumas poucas vítimas do perigoso lacrau que, inoculadas com o veneno do escorpião, sobreviveram para contar a história. Sabe-se, ao menos, da triste história de um garotinho, que confiando no animal, com quem gostava de passear, o alimentou e dele cuidou por anos, até tomar uma ferroada. Mas com nenhuma das três cabeças do sapo funcionando em harmonia, talvez seja pedir demais esperar que elas procurem saber disso.

Resta-nos esperar pelo fim desta triste quase-fábula que, ao que parece, não vai terminar com um construtivo provérbio, mas com alguma ou algumas frases lapidares.

*Pedro Munhoz é mineiro de Belo Horizonte, advogado, bacharel em história e estudante de jornalismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...