APRESENTADO A COMARCA PARA O MUNDO E O MUNDO PARA A COMARCA

TEMOS O APOIO DE INFOMANIA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA Fones 9986 1218 - 3432 1208 - AUTO-MECÂNICA IDEAL FONE 3432-1791 - 9916-5789 - 9853-1862 - NOVA ÓTICA Fone (44) 3432 -2305 Cel (44) 8817- 4769 Av. Londrina, 935 - Nova Londrina/PR - VOCÊ É BONITA? VENHA SER A PRÓXIMA BELA DA SEMANA - Já passaram por aqui: Márjorye nascimento - KAMILA COSTA - HELOIZA CANDIDO - JAINY SILVA - MARIANY STEFANY - SAMIRA ETTORE CABRAL - CARLA LETICIA - FLAVIA JORDANI - VIVANE RODRIGUES - LETICIA PIVA - GEOVANNA LIMA - NAIELY RAYSSA - BIANCA LIMA - VITÓRIA SOUZA - KAROLAINE SOUZA - JESSICA LAIANE - VIVIANE RODRIGUES - LETICIA LIMA - MILANE SANTOS - CATY SAMPAIO - YSABELY MEGA - LARISSA SANTANA - RAYLLA CHRISTINA - THELMA SANTOS - ALYNE FERNANDES - ALESSA LOPES - JOYCE DOMINGUES - LAIS BARBOSA PARRA - LÉINHA TEIXEIRA - LARISA GABRIELLY - BEATRIZ FERNANDES - ALINE FERNANDA - VIVIANE GONÇALVES - MICAELA CRISTINA - MONICA OLIVEIRA- SUELEN SLAVIERO - ROSIMARA BARBOSA - CAMILA ALVES - LAIZA CARLA SANTOS - IZADORA SOARES - NATHÁLIA TIETZ - AMANDA SANTOS - JAQUELINE ACOSTA - NAJLA ANTONZUK - NATYELI NEVES - LARISSA GARCIA - SUZANA NICOLINI - ANNA FLÁVIA - LUANA MAÍSA - MILENA AMÂNCIO - LAURA SALVATE - IASMYN GOMES - FRANCIELLY KOGLER - LIDIANE TRAVASSOS - PATTY NAYRIANE - ELLYN FONSECA - BEATRIZ MENDONÇA - TAYSA SILVA - MARIELLA PAOLA - MARY FERNANDES - DANIELLE MEIRA - *Thays e Thamirys - ELLEN SOARES - DARLENE SOARES - MILENA RILANI - ISTEFANY GARCIA - ARYY SILVA - ARIANE SILVA - MAYARA TEIXEIRA - MAYARA TAKATA - PAOLA ALVES - MORGANA VIOLIM - MAIQUELE VITALINO - BRENDA PIVA - ESTEFANNY CUSTÓDIO - ELENI FERREIRA - GIOVANA LIMA - GIOVANA NICOLINI - EVELLIN MARIA - LOHAINNE GONÇALVES - FRANCIELE ALMEIDA - LOANA XAVIER - JOSIANE MEDEIROS - GABRIELA CRUZ- KARINA SPOTTI - TÂNIA OLIVEIRA - RENATA LETÍCIA - TALITA FERNANDA - JADE CAROLINA - TAYNÁ MEDEIROS - BEATRIZ FONTES - LETYCIA MEDEIROS - MARYANA FREITAS - THAYLA BUGADÃO NAVARRO - LETÍCIA MENEGUETTI - STEFANI ALVES - CINDEL LIBERATO - RAFA REIS - BEATRYZ PECINI - IZABELLY PECINI - THAIS BARBOSA - MICHELE CECCATTO - JOICE MARIANO - LOREN ZAGATI - GRAISELE BERNUSSO - RAFAELA RAYSSA - LUUH XAVIER - SARAH CRISTINA - YANNA LEAL - LAURA ARAÚJO TROIAN - GIOVANNA MONTEIRO DA SILVA - PRISCILLA MARTINS RIL - GABRIELLA MENEGUETTI JASPER - MARIA HELLOISA VIDAL SAMPAIO - HELOÍSA MONTE - DAYARA GEOVANA - ADRIANA SANTOS - EDILAINE VAZ - THAYS FERNANDA - CAMILA COSTA - JULIANA BONFIM - MILENA LIMA - DYOVANA PEREZ - JULIANA SOUZA - JESSICA BORÉGIO - JHENIFER GARBELINI - DAYARA CALHEIROS - ALINE PEREIRA - ISABELA AGUIRRE - ANDRÉIA PEREIRA - MILLA RUAS - MARIA FERNANDA COCULO - FRANCIELLE OLIVEIRA - DEBORA RIBAS - CIRLENE BARBERO - BIA SLAVIERO - SYNTHIA GEHRING - JULIANE VIEIRA - DUDA MARTINS - GISELI RUAS - DÉBORA BÁLICO - JUUH XAVIER - POLLY SANTOS - BRUNA MODESTO - GIOVANA LIMA - VICTÓRIA RONCHI - THANYA SILVEIRA - ALÉKSIA LAUREN - DHENISY BARBOSA - POLIANA SENSON - LAURA TRIZZ - FRANCIELLY CORDEIRO - LUANA NAVARRO - RHAYRA RODRIGUES - LARISSA PASCHOALLETO - ALLANA BEATRIZ - WANDERLÉIA TEIXEIRA CAMPOS - BRUNA DONATO - VERÔNICA FREITAS - SIBELY MARTELLO - MARCELA PIMENTEL - SILVIA COSTA - JHENIFER TRIZE - LETÍCIA CARLA -FERNANDA MORETTI - DANIELA SILVA - NATY MARTINS - NAYARA RODRIGUES - STEPHANY CALDEIRA - VITÓRIA CEZERINO - TAMIRES FONTES - ARIANE ROSSIN - ARIANNY PATRICIA - SIMONE RAIANE - ALÉXIA ALENCAR - VANESSA SOUZA - DAYANI CRISTINA - TAYNARA VIANNA - PRISCILA GEIZA - PATRÍCIA BUENO - ISABELA ROMAN - RARYSSA EVARISTO - MILEIDE MARTINS - RENATHA SOLOVIOFF - BEATRIZ DOURADO - NATALIA LISBOA - ADRIANA DIAS - SOLANGE FREITAS - LUANA RIBEIRO - YARA ROCHA - IDAMARA IASKIO - CAMILA XAVIER - BIA VIEIRA - JESSICA RODRIGUES - AMANDA GABRIELLI - BARBARA OLIVEIRA - VITORIA NERES - JAQUE SANTOS - KATIA LIMA - ARIELA LIMA - MARIA FERNANDA FRANCISQUETI - LARA E LARISSA RAVÃ MATARUCO - THATY ALVES - RAFAELA VICENTIN - ESTELLA CHIAMULERA - KATHY LOPES - LETICIA CAVALCANTE PISCITELI - VANUSA SANTOS - ROSIANE BARILLE - NATHÁLIA SORRILHA - LILA LOPES - PRISCILA LUKA - SAMARA ALVES - JANIELLY BOTA - ELAINE LEITE CAVALCANTE - INGRID ZAMPOLLO - DEBORA MANGANELLI - MARYHANNE MAZZOTTI - ROSANI GUEDES - JOICE RUMACHELLA - DAIANA DELVECHIO - KAREN GONGORA - FERNANDA HENRIQUE - KAROLAYNE NEVES TOMAS - KAHENA CHIAMULERA - MACLAINE SILVÉRIO BRANDÃO - IRENE MARY - GABRIELLA AZEVEDO - LUANA TALARICO - LARISSA TALARICO - ISA MARIANO - LEIDIANE CARDOSO - TAMIRES MONÇÃO - ALANA ISABEL - THALIA COSTA - ISABELLA PATRICIO - VICTHORIA AMARAL - BRUNA LIMA - ROSIANE SANTOS - LUANA STEINER - SIMONE OLIVEIRA CUSTÓDIO - MARIELLE DE SÁ - GISLAINE REGINA - DÉBORA ALMEIDA - KIMBERLY SANTOS - ISADORA BORGHI - JULIANA GESLIN - BRUNA SOARES - POLIANA PAZ BALIEIRO - GABRIELA ALVES - MAYME SLAVIERO - GABRIELA GEHRING - LUANA ANTUNES - KETELEN DAIANA - PAOLLA NOGUEIRA - POLIANY FERREIRA DOS ANOS - LUANA DE MORAES - EDILAINE TORRES - DANIELI SCOTTA - JORDANA HADDAD - WINY GONSALVES - THAÍSLA NEVES - ÉRICA LIMA CABRAL - ALEXIA BECKER - RAFAELA MANGANELLI - CAROL LUCENA - KLAU PALAGANO - ELISANDRA TORRES - WALLINA MAIA - JOYCE SAMARA - BIANCA GARCIA - SUELEN CAROLINE - DANIELLE MANGANELLI - FERNANDA HARUE - YARA ALMEIDA - MAYARA FREITAS - PRISCILLA PALMA - LAHOANA MOARAES - FHYAMA REIS - KAMILA PASQUINI - SANDY RIBEIRO - MAPHOLE MENENGOLO - TAYNARA GABELINI - DEBORA MARRETA - JESSICA LAIANE - BEATRIS LOUREIRO - RAFA GEHRING - JOCASTA THAIS - AMANDA BIA - VIVIAN BUBLITZ - THAIS BOITO - SAMIA LOPES - BRUNA PALMA - ALINE MILLER - CLEMER COSTA - LUIZA DANIARA – ANA CLAUDIA PICHITELLI – CAMILA BISSONI – ERICA SANTANA - KAROL SOARES - NATALIA CECOTE - MAYARA DOURADO - LUANA COSTA - ANA LUIZA VEIT - CRIS LAZARINI - LARISSA SORRILHA - ROBERTA CARMO - IULY MOTA - KAMILA ALVES - LOISLENE CRISTINA - THAIS THAINÁ - PAMELA LOPES - ISABELI ROSINSKI - GABRIELA SLAVIERO - LIARA CAIRES - FLÁVIA OLIVEIRA - GRAZI MOREIRA - JESSICA SABRINNI - RENATA SILVA -SABRINA SCHERER - AMANDA NATALIÊ - JESSICA LAVRATE - ANA PAULA WESTERKAMP- RENATA DANIELI - GISELLY RUIZ - ENDIARA RIZZO - *DAIANY E DHENISY BARBOSA - KETLY MILLENA - MICHELLE ENUMO - ISADORA GIMENES - GABRIELA DARIENSO - MILENA PILEGI - TAMIRES ONISHI - EVELIN FEROLDI - ELISANGELA SILVA - PAULA FONTANA CAVAZIM - ANNE DAL PRÁ - POLLIANA OGIBOWISKI - CAMILA MELLO - PATRICIA LAURENTINO - FLOR CAPELOSSI - TAMIRES PICCOLI - KATIELLY DA MATTA - BIANCA DONATO - CATIELE XAVIER - JACKELINE MARQUES - CAROL MAZZOTTI - DANDHARA JORDANA - BRENDA GREGÓRIO - DUDA LOPES - MILENA GUILHEN - MAYARA GREGÓRIO - BRUNA BOITO - BETHÂNIA PEREIRA - ARIELLI SCARPINI - CAROL VAZ - GISELY TIEMY -THAIS BISSONI - MARIANA OLIVEIRA - GABRIELA BOITO - LEYLLA NASCIMENTO - JULIANA LUCENA- KRISTAL ZILIO - RAFAELA HERRERA - THAYANA CRISTINA VAZ - TATIANE MONGELESKI - NAYARA KIMURA - HEGILLY CORREIA MIILLER - FRANCIELI DE SANTI - PAULA MARUCHI FÁVERO - THAÍS CAROLINY - IASMIM PAIVA - ALYNE SLAVIERO - ISABELLA MELQUÍADES - ISABELA PICOLLI - AMANDA MENDES - LARISSA RAYRA - FERNANDA BOITO - EMILLY IZA - BIA MAZZOTTI - LETICIA PAIVA - PAOLA SLAVIERO - DAIANA PISCITELLE - ANGELINA BOITO - TALITA SANTOS Estamos ha 07 anos no ar - Mais de 700 acessos por dia, mais de um milhão de visualizações - http://mateusbrandodesouza.blogspot.com.br/- Obrigado por estar aqui, continue com a gente

sexta-feira, 19 de abril de 2019

Comunicação pública, mais um tiro na democracia, alvejada sem resistência

Termina de forma melancólica um processo iniciado em 2007, que pretendia trazer para o Brasil experiências civilizadas de comunicação consagradas na Europa e nos Estados Unidos.


Por Laurindo Lalo Leal, para RBA

Uma das primeiras medidas do governo golpista ao tomar o poder em 2016 foi a de acabar com a comunicação pública no Brasil. Através de medida provisória, transformou a EBC em empresa estatal extinguindo para isso o seu Conselho Curador, órgão máximo da empresa, formado por 22 pessoas, sendo 15 indicadas pela sociedade, quatro representantes do governo federal, um da Câmara dos Deputados, um do Senado e um dos funcionários.

A composição do Conselho respeitava critérios geográficos e sociais trazendo para o interior da empresa e para suas políticas editoriais as experiências, reflexões e expectativas de amplos setores da sociedade brasileira.

Com o atual governo, o processo de desmonte foi institucionalizado. Ao arrepio da Constituição, que prevê a “complementaridade dos sistemas público, privado e estatal”, o presidente da EBC publicou portaria fundindo em uma só as TVs Brasil (pública) e a NBR (estatal). Esta última difere da pública por ser dirigida exclusivamente pelo poder governamental, sem nenhuma mediação da sociedade.

Ao mesmo tempo foi anunciada a programação da emissora resultante da fusão, marcada pela prevalência de programas oficiais voltados para propagandear ações do governo e de exaltação às Forças Armadas. Desaparece na prática, e de forma explícita, o caráter público com que foi constituída a EBC. A portaria, por incúria ou incompetência, só trata das televisões deixando de se referir aos demais veículos da empresa, suas oito emissoras de rádio e duas agências de notícias. Pode-se deduzir, obviamente, que seguirão a linha oficial imposta às televisões.

Termina de forma melancólica um processo iniciado em 2007, que pretendia trazer para o Brasil experiências democráticas de comunicação consagradas desde a primeira metade do século 20 na Europa e nos Estados Unidos.

Aqui o rádio, desde os anos 1930, e a televisão, a partir da década de 1950, consolidaram-se como empreendimentos comerciais, naturalizando a ideia de que apenas esse tipo de modelo institucional poderia operar no setor. Como consequência, o fato de tratarem-se de concessões públicas outorgadas pelo Estado em nome da sociedade esteve sempre obscurecido, prevalecendo a ideia de que famílias, grupos empresariais e religiosos são donos absolutos desse tipo de serviço, sem nenhum crivo social.

Com o crescimento do poder desses meios, tornando praticamente homogêneas as ideias correntes na sociedade, ficou impossível fomentar um debate mais amplo e aprofundado da importância da comunicação pública para a democracia.

As experiências regionais de emissoras não comerciais, conhecidas de modo geral como “educativas”, nunca se consolidaram como empresas de caráter público. Todas elas, inclusive a Fundação Padre Anchieta gestora da TV e da Rádio Cultura de São Paulo, gerida por um Conselho Curador, nunca assumiram uma personalidade pública na medida em que operam sob tutela dos governos estaduais. No caso paulista, a captura do Conselho pelo partido que governa o estado há mais de duas décadas é emblemática.

A primeira tentativa real de romper essas barreiras ocorreu com a realização do primeiro Fórum Nacional de TVs Públicas, convocado em 2006 pelo governo federal, constituindo-se no embrião da EBC. Tive o privilégio de participar do grupo de trabalho liderado pelo ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Franklin Martins, onde não foi poupado em nenhum momento o debate aprofundado a respeito dos princípios que deveriam nortear a constituição de uma empresa pública de comunicação, comprometida com a diversidade e a pluralidade de ideias existentes na sociedade.

O governo, dessa forma, impulsionava a criação do sistema público de comunicação tendo a clareza de que não iria controlá-lo, dando à sociedade esse poder. Num país marcado pelo patrimonialismo, tratava-se de aposta ousada, daí a importância das referências internacionais, cuja modesta contribuição dei no meu livro A melhor TV do mundo, ainda nos anos 1990.

A ela, outras experiências vieram-se agregar, trazidas em seminário internacional realizado em Brasília, convocado pelo governo federal. A incompreensão e a ignorância de funcionários de emissoras comerciais presentes ao evento era tão grande, tanto que os vi fazendo chacotas com a rainha da Inglaterra, na tentativa de desqualificar o debate.

Isso tudo foi superado e a EBC, ainda que recebendo ataques de todos os lados, especialmente da mídia comercial, foi implantada. Durou cerca de nove anos. Pode demonstrar ao longo desse tempo a importância de levar ao público uma programação de rádio e TV, e um conteúdo informativo, através da Agência Brasil, fundados num olhar amplo e contextualizado da vida, atendendo necessidades simbólicas da sociedade, negadas pelos meios comerciais.

Nem tudo, no entanto, foram rosas. Ousou-se pouco na busca efetiva pela audiência que não deve ser obsessão na comunicação pública, mas também não pode ser desprezada. O sinal da TV Brasil em nenhum momento teve abrangência nacional, as emissoras de rádio não podiam ser ouvidas em São Paulo, por exemplo. Apenas nos últimos meses antes do golpe tentou-se de forma correta reverter essa situação, mas aí já era tarde. Mesmo assim, nesse período derradeiro, quando o jornalismo tornou-se mais ousado, refletindo anseios e expectativas de amplos setores da sociedade, foi possível constatar a ampliação do interesse público pelas emissoras da EBC.

Um apoio que poderia ter sido conquistado há mais tempo, se tais equívocos não houvessem sido cometidos. Com ele, talvez a destruição da comunicação pública não ocorresse com tanta facilidade como acabou acontecendo. Resta esperar que num novo momento histórico a experiência da EBC, seus erros e acertos, ajude a construir uma comunicação pública mais sólida e duradoura.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...