APRESENTADO A COMARCA PARA O MUNDO E O MUNDO PARA A COMARCA

TEMOS O APOIO DE INFOMANIA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA Fones 9986 1218 - 3432 1208 - AUTO-MECÂNICA IDEAL FONE 3432-1791 - 9916-5789 - 9853-1862 - NOVA ÓTICA Fone (44) 3432 -2305 Cel (44) 8817- 4769 Av. Londrina, 935 - Nova Londrina/PR - VOCÊ É BONITA? VENHA SER A PRÓXIMA BELA DA SEMANA - Já passaram por aqui: PATTY NAYRIANE - ELLYN FONSECA - BEATRIZ MENDONÇA - TAYSA SILVA - MARIELLA PAOLA - MARY FERNANDES - DANIELLE MEIRA - *Thays e Thamirys - ELLEN SOARES - DARLENE SOARES - MILENA RILANI - ISTEFANY GARCIA - ARYY SILVA - ARIANE SILVA - MAYARA TEIXEIRA - MAYARA TAKATA - PAOLA ALVES - MORGANA VIOLIM - MAIQUELE VITALINO - BRENDA PIVA - ESTEFANNY CUSTÓDIO - ELENI FERREIRA - GIOVANA LIMA - GIOVANA NICOLINI - EVELLIN MARIA - LOHAINNE GONÇALVES - FRANCIELE ALMEIDA - LOANA XAVIER - JOSIANE MEDEIROS - GABRIELA CRUZ- KARINA SPOTTI - TÂNIA OLIVEIRA - RENATA LETÍCIA - TALITA FERNANDA - JADE CAROLINA - TAYNÁ MEDEIROS - BEATRIZ FONTES - LETYCIA MEDEIROS - MARYANA FREITAS - THAYLA BUGADÃO NAVARRO - LETÍCIA MENEGUETTI - STEFANI ALVES - CINDEL LIBERATO - RAFA REIS - BEATRYZ PECINI - IZABELLY PECINI - THAIS BARBOSA - MICHELE CECCATTO - JOICE MARIANO - LOREN ZAGATI - GISELE BERNUSSO - RAFAELA RAYSSA - LUUH XAVIER - SARAH CRISTINA - YANNA LEAL - LAURA ARAÚJO TROIAN - GIOVANNA MONTEIRO DA SILVA - PRISCILLA MARTINS RIL - GABRIELLA MENEGUETTI JASPER - MARIA HELLOISA VIDAL SAMPAIO - HELOÍSA MONTE - DAYARA GEOVANA - ADRIANA SANTOS - EDILAINE VAZ - THAYS FERNANDA - CAMILA COSTA - JULIANA BONFIM - MILENA LIMA - DYOVANA PEREZ - JULIANA SOUZA - JESSICA BORÉGIO - JHENIFER GARBELINI - DAYARA CALHEIROS - ALINE PEREIRA - ISABELA AGUIRRE - ANDRÉIA PEREIRA - MILLA RUAS - MARIA FERNANDA COCULO - FRANCIELLE OLIVEIRA - DEBORA RIBAS - CIRLENE BARBERO - BIA SLAVIERO - SYNTHIA GEHRING - JULIANE VIEIRA - DUDA MARTINS - GISELI RUAS - DÉBORA BÁLICO - JUUH XAVIER - POLLY SANTOS - BRUNA MODESTO - GIOVANA LIMA - VICTÓRIA RONCHI - THANYA SILVEIRA - ALÉKSIA LAUREN - DHENISY BARBOSA - POLIANA SENSON - LAURA TRIZZ - FRANCIELLY CORDEIRO - LUANA NAVARRO - RHAYRA RODRIGUES - LARISSA PASCHOALLETO - ALLANA BEATRIZ - WANDERLÉIA TEIXEIRA CAMPOS - BRUNA DONATO - VERÔNICA FREITAS - SIBELY MARTELLO - MARCELA PIMENTEL - SILVIA COSTA - JHENIFER TRIZE - LETÍCIA CARLA -FERNANDA MORETTI - DANIELA SILVA - NATY MARTINS - NAYARA RODRIGUES - STEPHANY CALDEIRA - VITÓRIA CEZERINO - TAMIRES FONTES - ARIANE ROSSIN - ARIANNY PATRICIA - SIMONE RAIANE - ALÉXIA ALENCAR - VANESSA SOUZA - DAYANI CRISTINA - TAYNARA VIANNA - PRISCILA GEIZA - PATRÍCIA BUENO - ISABELA ROMAN - RARYSSA EVARISTO - MILEIDE MARTINS - RENATHA SOLOVIOFF - BEATRIZ DOURADO - NATALIA LISBOA - ADRIANA DIAS - SOLANGE FREITAS - LUANA RIBEIRO - YARA ROCHA - IDAMARA IASKIO - CAMILA XAVIER - BIA VIEIRA - JESSICA RODRIGUES - AMANDA GABRIELLI - BARBARA OLIVEIRA - VITORIA NERES - JAQUE SANTOS - KATIA LIMA - ARIELA LIMA - MARIA FERNANDA FRANCISQUETI - LARA E LARISSA RAVÃ MATARUCO - THATY ALVES - RAFAELA VICENTIN - ESTELLA CHIAMULERA - KATHY LOPES - LETICIA CAVALCANTE PISCITELI - VANUSA SANTOS - ROSIANE BARILLE - NATHÁLIA SORRILHA - LILA LOPES - PRISCILA LUKA - SAMARA ALVES - JANIELLY BOTA - ELAINE LEITE CAVALCANTE - INGRID ZAMPOLLO - DEBORA MANGANELLI - MARYHANNE MAZZOTTI - ROSANI GUEDES - JOICE RUMACHELLA - DAIANA DELVECHIO - KAREN GONGORA - FERNANDA HENRIQUE - KAROLAYNE NEVES TOMAS - KAHENA CHIAMULERA - MACLAINE SILVÉRIO BRANDÃO - IRENE MARY - GABRIELLA AZEVEDO - LUANA TALARICO - LARISSA TALARICO - ISA MARIANO - LEIDIANE CARDOSO - TAMIRES MONÇÃO - ALANA ISABEL - THALIA COSTA - ISABELLA PATRICIO - VICTHORIA AMARAL - BRUNA LIMA - ROSIANE SANTOS - LUANA STEINER - SIMONE OLIVEIRA CUSTÓDIO - MARIELLE DE SÁ - GISLAINE REGINA - DÉBORA ALMEIDA - KIMBERLY SANTOS - ISADORA BORGHI - JULIANA GESLIN - BRUNA SOARES - POLIANA PAZ BALIEIRO - GABRIELA ALVES - MAYME SLAVIERO - GABRIELA GEHRING - LUANA ANTUNES - KETELEN DAIANA - PAOLLA NOGUEIRA - POLIANY FERREIRA DOS ANOS - LUANA DE MORAES - EDILAINE TORRES - DANIELI SCOTTA - JORDANA HADDAD - WINY GONSALVES - THAÍSLA NEVES - ÉRICA LIMA CABRAL - ALEXIA BECKER - RAFAELA MANGANELLI - CAROL LUCENA - KLAU PALAGANO - ELISANDRA TORRES - WALLINA MAIA - JOYCE SAMARA - BIANCA GARCIA - SUELEN CAROLINE - DANIELLE MANGANELLI - FERNANDA HARUE - YARA ALMEIDA - MAYARA FREITAS - PRISCILLA PALMA - LAHOANA MOARAES - FHYAMA REIS - KAMILA PASQUINI - SANDY RIBEIRO - MAPHOLE MENENGOLO - TAYNARA GABELINI - DEBORA MARRETA - JESSICA LAIANE - BEATRIS LOUREIRO - RAFA GEHRING - JOCASTA THAIS - AMANDA BIA - VIVIAN BUBLITZ - THAIS BOITO - SAMIA LOPES - BRUNA PALMA - ALINE MILLER - CLEMER COSTA - LUIZA DANIARA – ANA CLAUDIA PICHITELLI – CAMILA BISSONI – ERICA SANTANA - KAROL SOARES - NATALIA CECOTE - MAYARA DOURADO - LUANA COSTA - ANA LUIZA VEIT - CRIS LAZARINI - LARISSA SORRILHA - ROBERTA CARMO - IULY MOTA - KAMILA ALVES - LOISLENE CRISTINA - THAIS THAINÁ - PAMELA LOPES - ISABELI ROSINSKI - GABRIELA SLAVIERO - LIARA CAIRES - FLÁVIA OLIVEIRA - GRAZI MOREIRA - JESSICA SABRINNI - RENATA SILVA -SABRINA SCHERER - AMANDA NATALIÊ - JESSICA LAVRATE - ANA PAULA WESTERKAMP- RENATA DANIELI - GISELLY RUIZ - ENDIARA RIZZO - *DAIANY E DHENISY BARBOSA - KETLY MILLENA - MICHELLE ENUMO - ISADORA GIMENES - GABRIELA DARIENSO - MILENA PILEGI - TAMIRES ONISHI - EVELIN FEROLDI - ELISANGELA SILVA - PAULA FONTANA CAVAZIM - ANNE DAL PRÁ - POLLIANA OGIBOWISKI - CAMILA MELLO - PATRICIA LAURENTINO - FLOR CAPELOSSI - TAMIRES PICCOLI - KATIELLY DA MATTA - BIANCA DONATO - CATIELE XAVIER - JACKELINE MARQUES - CAROL MAZZOTTI - DANDHARA JORDANA - BRENDA GREGÓRIO - DUDA LOPES - MILENA GUILHEN - MAYARA GREGÓRIO - BRUNA BOITO - BETHÂNIA PEREIRA - ARIELLI SCARPINI - CAROL VAZ - GISELY TIEMY -THAIS BISSONI - MARIANA OLIVEIRA - GABRIELA BOITO - LEYLLA NASCIMENTO - JULIANA LUCENA- KRISTAL ZILIO - RAFAELA HERRERA - THAYANA CRISTINA VAZ - TATIANE MONGELESKI - NAYARA KIMURA - HEGILLY CORREIA MIILLER - FRANCIELI DE SANTI - PAULA MARUCHI FÁVERO - THAÍS CAROLINY - IASMIM PAIVA - ALYNE SLAVIERO - ISABELLA MELQUÍADES - ISABELA PICOLLI - AMANDA MENDES - LARISSA RAYRA - FERNANDA BOITO - EMILLY IZA - BIA MAZZOTTI - LETICIA PAIVA - PAOLA SLAVIERO - DAIANA PISCITELLE - ANGELINA BOITO - TALITA SANTOS Estamos ha 07 anos no ar - Mais de 700 acessos por dia, mais de um milhão de visualizações - http://mateusbrandodesouza.blogspot.com.br/- Obrigado por estar aqui, continue com a gente

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

'Dói ver o panorama político do Mercosul', diz Evo Morales após vitória de Macri na Argentina

Presidente da Bolívia afirma que ele e Nicolás Maduro estão sozinhos no bloco como líderes anti-imperialistas.


Por Mercedes López San Miguel do Página/12

Evo Morales esteve na despedida de Cristina Fernández de Kirchner no dia 9 de dezembro: junto à presidente que deixava o cargo, revelaram um busto de Néstor Kirchner na Casa Rosada, idêntico ao do ex-presidente, segundo diz com um sorriso o líder da Bolívia. Morales ressalta a confiança única que teve com ambos os políticos.

Mais tarde, o presidente do país vizinho fez o que tanto gosta: junto à sua equipe de governo, jogou futebol com bolivianos residentes na Argentina. Mauricio Macri também compareceu ao estádio do Boca Juniors e participou do jogo. Em política, os gestos falam por si próprios.

No dia 10 de dezembro, pela manhã, antes de chegar à cerimônia da posse de Macri, Morales concedeu uma entrevista ao Página/12 em uma sala de um hotel de Buenos Aires. Com um tratamento afável e tranquilo, o presidente diz que o seu desejo é criar confiança com o novo inquilino da Casa Rosada porque os povos argentino e boliviano precisam um do outro mutuamente.
Olhando em perspectiva ao Mercosul, Morales faz uma reclamação. “Eu e Maduro nos sentimos sozinhos como líderes anti-imperialistas... dói ver o panorama político regional.”

Página/12: Qual a avaliação que o senhor faz da chegada ao poder de Mauricio Macri na Argentina, após 12 anos de governos de esquerda?

Evo Morales: Na Unasul, nós temos uma cláusula em temas democráticos, por isso respeitamos o presidente que ganha as eleições e começamos a trabalhar em conjunto. Pode haver diferenças ideológicas ou programáticas, porém cada país tem a sua particularidade. Com Néstor e Cristina, criamos uma confiança única para trabalhar nos dois países, e, quando acontecia qualquer coisa, nós nos falávamos por telefone. Lembro-me que antes de Néstor não havia estabilidade econômica nem política, apenas se ouvia falar de mudança de presidentes e povo mobilizado. No entanto essa gestão deu estabilidade econômica, política e social. Tenho muitas lembranças de Néstor, de momentos difíceis que vivemos na Bolívia, por exemplo, com o processo constituinte. Com Cristina houve muita confiança, colaboração, investimento, coincidências em eventos internacionais, cúpulas e por isso vim acompanhá-la em sua despedida da presidência... dói, não é mesmo? Foi um ato importante. Com o novo presidente, tenho o desejo de criar confiança; a mesma será gestada com sinceridade e diálogo, pensando sempre em nossos povos. Nunca tive amizade com ele, e queremos construir uma amizade, porque nossos povos têm necessidades mútuas. Algo que podemos levar para a Argentina. A Bolívia depois de muito tempo se levantou. Estamos muito melhor do que antes, e não apenas podemos colaborar como países, mas também compartilhar experiências de trabalho.

Página/12: O senhor se preocupa que haja sinais de mudança na região, por exemplo, a derrota eleitoral de Maduro no congresso e o pedido de impeachment contra Dilma?

EM: Me preocupa e devemos nos ocupar para nos libertarmos da guerra econômica. A crise do sistema capitalista tem efeitos no mundo todo e devemos enfrentá-la em conjunto. A Bolívia enfrentou diversas guerras econômicas. Quando cheguei ao governo, permanentemente alguns meios de comunicação, que eu chamo de meios de conspiração, diziam na base de mentiras: ‘curralito’ [confisco de poupanças] ou corrida bancária. Também diziam que Evo iria apresentar seu plano de desenvolvimento com a poupança da população, e que seu dinheiro seria confiscado. Eu participei de reuniões com banqueiros e lhes explicava que eles poderiam causar uma convulsão social com mentiras. E que os empresários iriam perder, e a Bolívia iria perder afinal de contas.

Em 2008, alguns empresários de médio porte compravam arroz a preço baixo de pequenos produtores e faziam seus estoques com finalidades políticas. Estes senhores fizeram com que faltasse arroz. Em seguida fizeram a mesma coisa com a carne, o açúcar, a farinha. Antes, os Estados Unidos davam de presente farinha para a Bolívia, e depois eles quiseram vendê-la. Isso é uma agressão econômica. Os fundos abutres são uma agressão econômica do império. Uma vez, eu disse a Maduro que ele mantém dois países, a Venezuela e a Colômbia. O combustível é tão barato e sai de contrabando. Está bem, o subsídio é bom, mas com algum limite.

Página/12: O governo venezuelano fechou os postos das fronteiras. Porém o problema parece ser o cansaço da população ao fazer filas nos supermercados para conseguir produtos básicos, e a economia que não decola…

EM: Houve um 40% de votos duramente anti-imperialistas na Venezuela, apesar das filas, da falta de alimentos, da inflação. [Nota da redação: o chavismo obteve 40,8%, e a MUD, de oposição, 56,2% dos votos]. Agora os empresários estão reivindicando com os parlamentares mudar as leis trabalhistas para tirar os benefícios sociais. E aqui começa a luta dos trabalhadores. Porém, felizmente, nossos povos são anti-imperialistas.

Página/12: Como o senhor vê o Mercosul com estas mudanças em andamento?

EM: Nos sentimos sozinhos com Maduro, me dói muito ver este panorama político regional. Porém eu sei que os trabalhadores, não apenas da Bolívia, mas também da América Latina, vão acompanhar. Tampouco estamos assustados. Olhe o exemplo de Cuba, que esteve décadas sozinha na América Latina. Se as guerras econômicas não dão resultado para o império, ele usa política de ameaças, porém, com sorte, já não há mais golpes de Estado. Há um confronto ideológico.

Página/12: O senhor mencionou Maduro, porém também há Correa. O Equador faz parte do Unasul.

EM: Apesar das diferenças ideológicas que há entre os presidentes do Unasur, primeiro devemos debater a economia regional. Compartilhar o que temos como países, porque não podemos depender totalmente da economia norte-americana ou do mercado europeu ou do asiático. Lembre-se de 2008, quando os Estados Unidos tinham sérios problemas financeiros. Então devemos ampliar nosso mercado regional.

Página/12: No caso do Brasil, a crise econômica se soma à crise política. Ou é o contrário?

EM: É um golpe parlamentar em etapas. Já houve um golpe no Congresso do Paraguai, e agora ele está acontecendo no Brasil. Respeitamos, são constituições diferentes, às vezes importadas; porém são grupos oligárquicos os que detêm o poder político.

Página/12: Alguns aliados de Dilma Rousseff parecem pouco confiáveis.

EM: Talvez em alguns países, para ganhar  as eleições, incorpora-se a chamada centro-direita ou a centro-esquerda. Para mim, ou se é anti-imperialista ou se é imperialista. Quando, para ganhar, incorporamos alguns centros, estes não têm definição ideológica nem disciplina orgânica.

Página/12: Qual é a contribuição dos meios de comunicação no confronto mencionado?

EM: Na Bolívia, eu não tenho oposição. Apenas dos meios de comunicação. A direita boliviana não tem nada para festejar no meu país, e vem festejar na Argentina, ou vai para a Venezuela.

Página/12: Porém, surgiram novas lideranças, como, por exemplo, Soledad Chapetón, que tirou a prefeitura do Movimento ao Socialismo [partido de Evo] em El Alto.

EM: Entendo isso, nós também cometemos erros. Nosso candidato era ruim.

Página/12: Segundo uma pesquisa revelada há uma semana, 53% da população é contra alterar a Constituição para permitir uma nova reeleição presidencial. Qual será a resposta de seu governo se o referendo de fevereiro der errado?

EM: Nunca acreditei em pesquisas. Em 2005, quando ganhei as eleições presidenciais, todas as pesquisas diziam que eu iria ganhar com 32%. E ganhei com 54%. Em 2009, disseram que eu iria ganhar com 48%. E foi com 62%. Há uma contradição nas pesquisas de hoje: cerca de 68% apoia minha gestão, porém cerca de 53% recusa a reforma constitucional. Estamos seguros de que vamos vencer, porque queremos um período a mais para continuar com a agenda patriótica, garantindo os investimentos. O melhor é consultar a população: se o povo me quer, continuo. Se não quer, respeitamos. Isso é o mais democrático.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...