APRESENTADO A COMARCA PARA O MUNDO E O MUNDO PARA A COMARCA

TEMOS O APOIO DE INFOMANIA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA Fones 9986 1218 - 3432 1208 - AUTO-MECÂNICA IDEAL FONE 3432-1791 - 9916-5789 - 9853-1862 - NOVA ÓTICA Fone (44) 3432 -2305 Cel (44) 8817- 4769 Av. Londrina, 935 - Nova Londrina/PR - VOCÊ É BONITA? VENHA SER A PRÓXIMA BELA DA SEMANA - Já passaram por aqui: YSABELY MEGA - LARISSA SANTANA - RAYLLA CHRISTINA - THELMA SANTOS - ALYNE FERNANDES - ALESSA LOPES - JOYCE DOMINGUES - LAIS BARBOSA PARRA - LÉINHA TEIXEIRA - LARISA GABRIELLY - BEATRIZ FERNANDES - ALINE FERNANDA - VIVIANE GONÇALVES - MICAELA CRISTINA - MONICA OLIVEIRA- SUELEN SLAVIERO - ROSIMARA BARBOSA - CAMILA ALVES - LAIZA CARLA SANTOS - IZADORA SOARES - NATHÁLIA TIETZ - AMANDA SANTOS - JAQUELINE ACOSTA - NAJLA ANTONZUK - NATYELI NEVES - LARISSA GARCIA - SUZANA NICOLINI - ANNA FLÁVIA - LUANA MAÍSA - MILENA AMÂNCIO - LAURA SALVATE - IASMYN GOMES - FRANCIELLY KOGLER - LIDIANE TRAVASSOS - PATTY NAYRIANE - ELLYN FONSECA - BEATRIZ MENDONÇA - TAYSA SILVA - MARIELLA PAOLA - MARY FERNANDES - DANIELLE MEIRA - *Thays e Thamirys - ELLEN SOARES - DARLENE SOARES - MILENA RILANI - ISTEFANY GARCIA - ARYY SILVA - ARIANE SILVA - MAYARA TEIXEIRA - MAYARA TAKATA - PAOLA ALVES - MORGANA VIOLIM - MAIQUELE VITALINO - BRENDA PIVA - ESTEFANNY CUSTÓDIO - ELENI FERREIRA - GIOVANA LIMA - GIOVANA NICOLINI - EVELLIN MARIA - LOHAINNE GONÇALVES - FRANCIELE ALMEIDA - LOANA XAVIER - JOSIANE MEDEIROS - GABRIELA CRUZ- KARINA SPOTTI - TÂNIA OLIVEIRA - RENATA LETÍCIA - TALITA FERNANDA - JADE CAROLINA - TAYNÁ MEDEIROS - BEATRIZ FONTES - LETYCIA MEDEIROS - MARYANA FREITAS - THAYLA BUGADÃO NAVARRO - LETÍCIA MENEGUETTI - STEFANI ALVES - CINDEL LIBERATO - RAFA REIS - BEATRYZ PECINI - IZABELLY PECINI - THAIS BARBOSA - MICHELE CECCATTO - JOICE MARIANO - LOREN ZAGATI - GISELE BERNUSSO - RAFAELA RAYSSA - LUUH XAVIER - SARAH CRISTINA - YANNA LEAL - LAURA ARAÚJO TROIAN - GIOVANNA MONTEIRO DA SILVA - PRISCILLA MARTINS RIL - GABRIELLA MENEGUETTI JASPER - MARIA HELLOISA VIDAL SAMPAIO - HELOÍSA MONTE - DAYARA GEOVANA - ADRIANA SANTOS - EDILAINE VAZ - THAYS FERNANDA - CAMILA COSTA - JULIANA BONFIM - MILENA LIMA - DYOVANA PEREZ - JULIANA SOUZA - JESSICA BORÉGIO - JHENIFER GARBELINI - DAYARA CALHEIROS - ALINE PEREIRA - ISABELA AGUIRRE - ANDRÉIA PEREIRA - MILLA RUAS - MARIA FERNANDA COCULO - FRANCIELLE OLIVEIRA - DEBORA RIBAS - CIRLENE BARBERO - BIA SLAVIERO - SYNTHIA GEHRING - JULIANE VIEIRA - DUDA MARTINS - GISELI RUAS - DÉBORA BÁLICO - JUUH XAVIER - POLLY SANTOS - BRUNA MODESTO - GIOVANA LIMA - VICTÓRIA RONCHI - THANYA SILVEIRA - ALÉKSIA LAUREN - DHENISY BARBOSA - POLIANA SENSON - LAURA TRIZZ - FRANCIELLY CORDEIRO - LUANA NAVARRO - RHAYRA RODRIGUES - LARISSA PASCHOALLETO - ALLANA BEATRIZ - WANDERLÉIA TEIXEIRA CAMPOS - BRUNA DONATO - VERÔNICA FREITAS - SIBELY MARTELLO - MARCELA PIMENTEL - SILVIA COSTA - JHENIFER TRIZE - LETÍCIA CARLA -FERNANDA MORETTI - DANIELA SILVA - NATY MARTINS - NAYARA RODRIGUES - STEPHANY CALDEIRA - VITÓRIA CEZERINO - TAMIRES FONTES - ARIANE ROSSIN - ARIANNY PATRICIA - SIMONE RAIANE - ALÉXIA ALENCAR - VANESSA SOUZA - DAYANI CRISTINA - TAYNARA VIANNA - PRISCILA GEIZA - PATRÍCIA BUENO - ISABELA ROMAN - RARYSSA EVARISTO - MILEIDE MARTINS - RENATHA SOLOVIOFF - BEATRIZ DOURADO - NATALIA LISBOA - ADRIANA DIAS - SOLANGE FREITAS - LUANA RIBEIRO - YARA ROCHA - IDAMARA IASKIO - CAMILA XAVIER - BIA VIEIRA - JESSICA RODRIGUES - AMANDA GABRIELLI - BARBARA OLIVEIRA - VITORIA NERES - JAQUE SANTOS - KATIA LIMA - ARIELA LIMA - MARIA FERNANDA FRANCISQUETI - LARA E LARISSA RAVÃ MATARUCO - THATY ALVES - RAFAELA VICENTIN - ESTELLA CHIAMULERA - KATHY LOPES - LETICIA CAVALCANTE PISCITELI - VANUSA SANTOS - ROSIANE BARILLE - NATHÁLIA SORRILHA - LILA LOPES - PRISCILA LUKA - SAMARA ALVES - JANIELLY BOTA - ELAINE LEITE CAVALCANTE - INGRID ZAMPOLLO - DEBORA MANGANELLI - MARYHANNE MAZZOTTI - ROSANI GUEDES - JOICE RUMACHELLA - DAIANA DELVECHIO - KAREN GONGORA - FERNANDA HENRIQUE - KAROLAYNE NEVES TOMAS - KAHENA CHIAMULERA - MACLAINE SILVÉRIO BRANDÃO - IRENE MARY - GABRIELLA AZEVEDO - LUANA TALARICO - LARISSA TALARICO - ISA MARIANO - LEIDIANE CARDOSO - TAMIRES MONÇÃO - ALANA ISABEL - THALIA COSTA - ISABELLA PATRICIO - VICTHORIA AMARAL - BRUNA LIMA - ROSIANE SANTOS - LUANA STEINER - SIMONE OLIVEIRA CUSTÓDIO - MARIELLE DE SÁ - GISLAINE REGINA - DÉBORA ALMEIDA - KIMBERLY SANTOS - ISADORA BORGHI - JULIANA GESLIN - BRUNA SOARES - POLIANA PAZ BALIEIRO - GABRIELA ALVES - MAYME SLAVIERO - GABRIELA GEHRING - LUANA ANTUNES - KETELEN DAIANA - PAOLLA NOGUEIRA - POLIANY FERREIRA DOS ANOS - LUANA DE MORAES - EDILAINE TORRES - DANIELI SCOTTA - JORDANA HADDAD - WINY GONSALVES - THAÍSLA NEVES - ÉRICA LIMA CABRAL - ALEXIA BECKER - RAFAELA MANGANELLI - CAROL LUCENA - KLAU PALAGANO - ELISANDRA TORRES - WALLINA MAIA - JOYCE SAMARA - BIANCA GARCIA - SUELEN CAROLINE - DANIELLE MANGANELLI - FERNANDA HARUE - YARA ALMEIDA - MAYARA FREITAS - PRISCILLA PALMA - LAHOANA MOARAES - FHYAMA REIS - KAMILA PASQUINI - SANDY RIBEIRO - MAPHOLE MENENGOLO - TAYNARA GABELINI - DEBORA MARRETA - JESSICA LAIANE - BEATRIS LOUREIRO - RAFA GEHRING - JOCASTA THAIS - AMANDA BIA - VIVIAN BUBLITZ - THAIS BOITO - SAMIA LOPES - BRUNA PALMA - ALINE MILLER - CLEMER COSTA - LUIZA DANIARA – ANA CLAUDIA PICHITELLI – CAMILA BISSONI – ERICA SANTANA - KAROL SOARES - NATALIA CECOTE - MAYARA DOURADO - LUANA COSTA - ANA LUIZA VEIT - CRIS LAZARINI - LARISSA SORRILHA - ROBERTA CARMO - IULY MOTA - KAMILA ALVES - LOISLENE CRISTINA - THAIS THAINÁ - PAMELA LOPES - ISABELI ROSINSKI - GABRIELA SLAVIERO - LIARA CAIRES - FLÁVIA OLIVEIRA - GRAZI MOREIRA - JESSICA SABRINNI - RENATA SILVA -SABRINA SCHERER - AMANDA NATALIÊ - JESSICA LAVRATE - ANA PAULA WESTERKAMP- RENATA DANIELI - GISELLY RUIZ - ENDIARA RIZZO - *DAIANY E DHENISY BARBOSA - KETLY MILLENA - MICHELLE ENUMO - ISADORA GIMENES - GABRIELA DARIENSO - MILENA PILEGI - TAMIRES ONISHI - EVELIN FEROLDI - ELISANGELA SILVA - PAULA FONTANA CAVAZIM - ANNE DAL PRÁ - POLLIANA OGIBOWISKI - CAMILA MELLO - PATRICIA LAURENTINO - FLOR CAPELOSSI - TAMIRES PICCOLI - KATIELLY DA MATTA - BIANCA DONATO - CATIELE XAVIER - JACKELINE MARQUES - CAROL MAZZOTTI - DANDHARA JORDANA - BRENDA GREGÓRIO - DUDA LOPES - MILENA GUILHEN - MAYARA GREGÓRIO - BRUNA BOITO - BETHÂNIA PEREIRA - ARIELLI SCARPINI - CAROL VAZ - GISELY TIEMY -THAIS BISSONI - MARIANA OLIVEIRA - GABRIELA BOITO - LEYLLA NASCIMENTO - JULIANA LUCENA- KRISTAL ZILIO - RAFAELA HERRERA - THAYANA CRISTINA VAZ - TATIANE MONGELESKI - NAYARA KIMURA - HEGILLY CORREIA MIILLER - FRANCIELI DE SANTI - PAULA MARUCHI FÁVERO - THAÍS CAROLINY - IASMIM PAIVA - ALYNE SLAVIERO - ISABELLA MELQUÍADES - ISABELA PICOLLI - AMANDA MENDES - LARISSA RAYRA - FERNANDA BOITO - EMILLY IZA - BIA MAZZOTTI - LETICIA PAIVA - PAOLA SLAVIERO - DAIANA PISCITELLE - ANGELINA BOITO - TALITA SANTOS Estamos ha 07 anos no ar - Mais de 700 acessos por dia, mais de um milhão de visualizações - http://mateusbrandodesouza.blogspot.com.br/- Obrigado por estar aqui, continue com a gente

domingo, 1 de abril de 2018

Golpe 64 - Estado brasileiro não reconhece camponeses assassinados na ditadura

Liderança do Movimento dos Pequenos Agricultores denuncia relação do governo militar com o agronegócio brasileiro.

Júlia Dolce

Entre as maiores vítimas do golpe militar brasileiro, que completa 54 anos neste domingo, 1º de abril, está o campesinato. O fato, no entanto, ainda é pouco discutido na sociedade brasileira. O Estado reconhece apenas 29 dos 1196 camponeses assassinados pela ditadura, estatística obtida em um levantamento de 2012 da Secretaria Nacional de Direitos Humanos e reiterada no relatório final da Comissão Camponesa da Verdade em 2014.

Para Humberto Santos Palmeira, integrante da Direção Nacional do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e militante do movimento desde 2003, há um grande desconhecimento sobre o processo de repressão dos camponeses no pré e pós golpe de 1964, inclusive entre setores da esquerda. "Há um desconhecimento da realidade agrícola e camponesa brasileira, e como nossa própria formação de esquerda é centrada no urbano, há um desconhecimento sobre o processo de repressão camponesa", afirmou.

De acordo com Palmeira, a relação do governo militar com o agronegócio brasileiro foi muito próxima e contribuiu para forjar as bases latifundiárias da produção brasileira que, após o golpe de 2016, voltou a se fortalecer. “O que hoje dita o agronegócio tem na sua gênese as políticas aplicadas pela ditadura no campo: de aumentar o nível de repressão com os camponeses e dar incentivo estatal para a grande propriedade", afirmou.

O MPA realizou, ao longo da última semana, a sua Quarta Escola da Memória, que tem como objetivo formar os jovens militantes do movimento sobre a história da resistência e repressão dos camponeses a partir do golpe militar de 1964.

Confira a entrevista completa:

Brasil de Fato - Como você encara os impactos do golpe de 1964 para o campesinato?

Humberto Santos Palmeira - As Ligas Camponesas, desde os anos 1960, apontavam que a conjuntura levaria a um golpe de Estado e por isso os camponeses precisavam se organizar para resistir. Então as Ligas passaram por um processo de organização e formação, mas houve pouco tempo de organização dessas frentes. Com o golpe, a repressão às lideranças camponesas e camponeses foi tremenda. Teve caso em Pernambuco de prisão de 5 mil pessoas com triagem de quem era da Liga, e pelo simples fato de ser da Liga você era preso. A própria violência do Estado foi horrorosa, um exemplo disso é o caso do camponês Gregório Bezerra, que foi amarrado no fundo de um jipe e arrastado nas ruas de Recife. O Estado brasileiro reconhece poucas mortes de camponeses, e por isso foi criada a Comissão Camponesa da Verdade. Conseguimos fazer um resgate, o registro, mas não conseguimos fazer com que o Estado reconhecesse o crime contra essas populações. A Comissão Camponesa da Verdade chegou aos dados de que foram 1.196 mortos na ditadura, mas o Estado reconheceu apenas 29.



O que foi a Comissão Camponesa da Verdade?

Quando começou o debate com a Comissão Nacional da Verdade, a gente viu que ela não teria pernas suficientes para ir para o campo. Então a Via Campesina, com o movimento sindical, propôs uma comissão específica para o campo. A Comissão Camponesa da Verdade não pega só o período a partir de 1964, ela pensa a partir de 1945, porque na reflexão dos movimentos populares e pesquisadores que compuseram a comissão, 1964 era parte de uma violência que já vinha acontecendo. Então, nesse período, grandes lutas camponesas foram destruídas, como a Guerrilha de Porecatu, no Paraná, a Guerra do Capim aqui em São Paulo, tudo antes do golpe.

O AI5 faz 50 anos neste ano. A partir de seu decreto, qual foi a consequência para os movimentos camponeses?

Em tempos organizativos, as Ligas Camponeses foram destruídas até 1965. As outras organizações que tinham um maior nível de tensionamento foram extintas, suas lideranças foram mortas, presas, torturadas. Na mesma medida que a repressão aumentou na cidade com o AI5, no campo foi maior, porque na cidade você ainda tinha um sistema de comunicação mais efetivo. No campo, nos anos 1960, era muito difícil essa comunicação interna e com a cidade.  Há muitos registros de violência pós AI5 registradas no processo de abertura em 1985, ou apenas em 2012 com a Comissão Camponesa da Verdade.

De que forma o golpe de 1964 incentivou o agronegócio? Podemos fazer um paralelo com o golpe de 2016?

Tem um conceito que o professor Guilherme Delgado usa e que os movimentos do campo adotaram para caracterizar o período da ditadura militar, que é o de modernização conservadora. A entrada da Revolução Verde foi na época da ditadura, então você "moderniza" a produção e a propriedade agrícola, mas conserva seus traços originais da grande propriedade. O que hoje dita o agronegócio tem na gênese as políticas aplicadas pela Ditadura no campo: de aumentar o nível de repressão com os camponeses, e dar incentivo estatal para a grande propriedade. Então você moderniza a partir de insumos, máquinas, agrotóxicos, mas conserva a estrutura fundiária, e não faz reforma agrária.

A relação do Estado com o agronegócio na ditadura era tão forte, que várias lideranças urbanas inclusive, não só camponesas, eram pegas na cidade e levadas para o campo para serem incineradas nas usinas de uma fazenda de cana no Rio de Janeiro, como o militante David Capristano. Sempre teve essa relação mútua e umbilical entre o Estado e o agronegócio, para manter o status-quo do poder político.

Se formos fazer um paralelo com o golpe de 2016, esses mesmos atores do agronegócio e capital financeiro foram partes constituintes do golpe. Com as primeiras mensagens golpistas nas eleições de 2014, formou-se um bloco conservador do agronegócio para derrubar  Dilma Rousseff com o golpe parlamentar, teoricamente via instâncias democráticas, mas financiada pela Bancada Ruralista, que votou completamente para derrubar a ex-presidenta. Nesta última Caravana do Lula vimos esses ataques do agronegócio também. Então esse agronegócio hoje é fruto da modernização conservadora da ditadura.

Acha que existe uma falta de reconhecimento por setores da própria esquerda sobre o impacto do golpe no campo?

É um déficit que temos na esquerda brasileira, um desconhecimento da realidade agrícola e camponesa. E como nossa própria formação da esquerda é centrada no urbano, as experiências organizativas no campo foram muitas vezes abandonadas pela própria esquerda. Então há um desconhecimento sobre o próprio processo de repressão. Tem muita pesquisa e pouca divulgação sobre esse período dos camponeses. Uma das questões principais que a Elizabeth Teixeira e o Clodomir Santos de Moraes, das Ligas Camponesas, ressaltam, é o quanto é difícil dar visibilidade para os conflitos do campo dentro da própria esquerda.

Edição: Nina Fideles

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...