APRESENTADO A COMARCA PARA O MUNDO E O MUNDO PARA A COMARCA

TEMOS O APOIO DE INFOMANIA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA Fones 9986 1218 - 3432 1208 - AUTO-MECÂNICA IDEAL FONE 3432-1791 - 9916-5789 - 9853-1862 - JOALHERIA OURO BRANCO 44 9839-3200 - NOVA ÓTICA Fone (44) 3432 -2305 Cel (44) 8817- 4769 Av. Londrina, 935 - Nova Londrina/PR - VOCÊ É BONITA? VENHA SER A PRÓXIMA BELA DA SEMANA - Já passaram por aqui: ESTEFANNY CUSTÓDIO - ELENI FERREIRA - GIOVANA lIMA - GIOVANA NICOLINI - EVELLIN MARIA - LOHAINNE GONÇALVES - FRANCIELE ALMEIDA - LOANA XAVIER - GABRIELA CRUZ- KARINA SPOTTI - TÂNIA OLIVEIRA - RENATA LETÍCIA - TALITA FERNANDA - JADE CAROLINA - TAYNÁ MEDEIROS - BEATRIZ FONTES - LETYCIA MEDEIROS - MARYANA FREITAS - THAYLA BUGADÃO NAVARRO - LETÍCIA MENEGUETTI - STEFANI ALVES - CINDEL LIBERATO - RAFA-REIS - BEATRYZ PECINI - IZABELLY PECINI - THAIS BARBOSA - MICHELE CECCATTO - JOICE MARIANO - LOREN ZAGATI - GISELE BERNUSSO - RAFAELA RAYSSA - LUUH XAVIER - SARAH CRISTINA - YANNA LEAL - LAURA ARAÚJO TROIAN - GIOVANNA MONTEIRO DA SILVA - PRISCILLA MARTINS RIL - GABRIELLA MENEGUETTI JASPER - MARIA HELLOISA VIDAL SAMPAIO - HELOÍSA MONTE - DAYARA GEOVANA - ADRIANA SANTOS - EDILAINE VAZ - THAYS FERNANDA - CAMILA COSTA - JULIANA BONFIM - MILENA LIMA - DYOVANA PEREZ - JULIANA SOUZA - JESSICA BORÉGIO - JHENIFER GARBELINI - DAYARA CALHEIROS - ALINE PEREIRA - ISABELA AGUIRRE - ANDRÉIA PEREIRA - MILLA RUAS - MARIA FERNANDA COCULO - FRANCIELLE OLIVEIRA - DEBORA RIBAS - CIRLENE BARBERO - BIA SLAVIERO - SYNTHIA GEHRING - JULIANE VIEIRA - DUDA MARTINS - GISELI RUAS - DÉBORA BÁLICO - JUUH XAVIER - POLLY SANTOS - BRUNA MODESTO - GIOVANA LIMA - VICTÓRIA RONCHI - THANYA SILVEIRA - ALÉKSIA LAUREN - DHENISY BARBOSA - POLIANA SENSON - LAURA TRIZZ - FRANCIELLY CORDEIRO - LUANA NAVARRO - RHAYRA RODRIGUES - LARISSA PASCHOALLETO - ALLANA BEATRIZ - WANDERLÉIA TEIXEIRA CAMPOS - BRUNA DONATO - VERÔNICA FREITAS - SIBELY MARTELLO - MARCELA PIMENTEL - SILVIA COSTA - JHENIFER TRIZE - LETÍCIA CARLA -FERNANDA MORETTI - DANIELA SILVA - NATY MARTINS - NAYARA RODRIGUES - STEPHANY CALDEIRA - VITÓRIA CEZERINO - TAMIRES FONTES - ARIANE ROSSIN - ARIANNY PATRICIA - SIMONE RAIANE - ALÉXIA ALENCAR - VANESSA SOUZA - DAYANI CRISTINA - TAYNARA VIANNA - PRISCILA GEIZA - PATRÍCIA BUENO - ISABELA ROMAN - RARYSSA EVARISTO - MILEIDE MARTINS - RENATHA SOLOVIOFF - BEATRIZ DOURADO - NATALIA LISBOA - ADRIANA DIAS - SOLANGE FREITAS - LUANA RIBEIRO - YARA ROCHA - IDAMARA IASKIO - CAMILA XAVIER - BIA VIEIRA - JESSICA RODRIGUES - AMANDA GABRIELLI - BARBARA OLIVEIRA - VITORIA NERES - JAQUE SANTOS - KATIA LIMA - ARIELA LIMA - MARIA FERNANDA FRANCISQUETI - LARA E LARISSA RAVÃ MATARUCO - THATY ALVES - RAFAELA VICENTIN - ESTELLA CHIAMULERA - KATHY LOPES - LETICIA CAVALCANTE PISCITELI - VANUSA SANTOS - ROSIANE BARILLE - NATHÁLIA SORRILHA - LILA LOPES - PRISCILA LUKA - SAMARA ALVES - JANIELLY BOTA - ELAINE LEITE CAVALCANTE - INGRID ZAMPOLLO - DEBORA MANGANELLI - MARYHANNE MAZZOTTI - ROSANI GUEDES - JOICE RUMACHELLA - DAIANA DELVECHIO - KAREN GONGORA - FERNANDA HENRIQUE - KAROLAYNE NEVES TOMAS - KAHENA CHIAMULERA - MACLAINE SILVÉRIO BRANDÃO - IRENE MARY - GABRIELLA AZEVEDO - LUANA TALARICO - LARISSA TALARICO - ISA MARIANO - LEIDIANE CARDOSO - TAMIRES MONÇÃO - ALANA ISABEL - THALIA COSTA - ISABELLA PATRICIO - VICTHORIA AMARAL - BRUNA LIMA - ROSIANE SANTOS - LUANA STEINER - SIMONE OLIVEIRA CUSTÓDIO - MARIELLE DE SÁ - GISLAINE REGINA - DÉBORA ALMEIDA - KIMBERLY SANTOS - ISADORA BORGHI - JULIANA GESLIN - BRUNA SOARES - POLIANA PAZ BALIEIRO - GABRIELA ALVES - MAYME SLAVIERO - GABRIELA GEHRING - LUANA ANTUNES - KETELEN DAIANA - PAOLLA NOGUEIRA - POLIANY FERREIRA DOS ANOS - LUANA DE MORAES - EDILAINE TORRES - DANIELI SCOTTA - JORDANA HADDAD - WINY GONSALVES - THAÍSLA NEVES - ÉRICA LIMA CABRAL - ALEXIA BECKER - RAFAELA MANGANELLI - CAROL LUCENA - KLAU PALAGANO - ELISANDRA TORRES - WALLINA MAIA - JOYCE SAMARA - BIANCA GARCIA - SUELEN CAROLINE - DANIELLE MANGANELLI - FERNANDA HARUE - YARA ALMEIDA - MAYARA FREITAS - PRISCILLA PALMA - LAHOANA MOARAES - FHYAMA REIS - KAMILA PASQUINI - SANDY RIBEIRO - MAPHOLE MENENGOLO - TAYNARA GABELINI - DEBORA MARRETA - JESSICA LAIANE - BEATRIS LOUREIRO - RAFA GEHRING - JOCASTA THAIS - AMANDA BIA - VIVIAN BUBLITZ - THAIS BOITO - SAMIA LOPES - BRUNA PALMA - ALINE MILLER - CLEMER COSTA - LUIZA DANIARA – ANA CLAUDIA PICHITELLI – CAMILA BISSONI – ERICA SANTANA - KAROL SOARES - NATALIA CECOTE - MAYARA DOURADO - LUANA COSTA - ANA LUIZA VEIT - CRIS LAZARINI - LARISSA SORRILHA - ROBERTA CARMO - IULY MOTA - KAMILA ALVES - LOISLENE CRISTINA - THAIS THAINÁ - PAMELA LOPES - ISABELI ROSINSKI - GABRIELA SLAVIERO - LIARA CAIRES - FLÁVIA OLIVEIRA - GRAZI MOREIRA - JESSICA SABRINNI - RENATA SILVA -SABRINA SCHERER - AMANDA NATALIÊ - JESSICA LAVRATE - ANA PAULA WESTERKAMP- RENATA DANIELI - GISELLY RUIZ - ENDIARA RIZZO - *DAIANY E DHENISY BARBOSA - KETLY MILLENA - MICHELLE ENUMO - ISADORA GIMENES - GABRIELA DARIENSO - MILENA PILEGI - TAMIRES ONISHI - EVELIN FEROLDI - ELISANGELA SILVA - PAULA FONTANA CAVAZIM - ANNE DAL PRÁ - POLLIANA OGIBOWISKI - CAMILA MELLO - PATRICIA LAURENTINO - FLOR CAPELOSSI - TAMIRES PICCOLI - KATIELLY DA MATTA - BIANCA DONATO - CATIELE XAVIER - JACKELINE MARQUES - CAROL MAZZOTTI - DANDHARA JORDANA - BRENDA GREGÓRIO - DUDA LOPES - MILENA GUILHEN - MAYARA GREGÓRIO - BRUNA BOITO - BETHÂNIA PEREIRA - ARIELLI SCARPINI - CAROL VAZ - GISELY TIEMY -THAIS BISSONI - MARIANA OLIVEIRA - GABRIELA BOITO - LEYLLA NASCIMENTO - JULIANA LUCENA- KRISTAL ZILIO - RAFAELA HERRERA - THAYANA CRISTINA VAZ - TATIANE MONGELESKI - NAYARA KIMURA - HEGILLY CORREIA MIILLER - FRANCIELI DE SANTI - PAULA MARUCHI FÁVERO - THAÍS CAROLINY - IASMIM PAIVA - ALYNE SLAVIERO - ISABELLA MELQUÍADE - ISABELA PICOLLI - AMANDA MENDES - LARISSA RAYRA - FERNANDA BOITO - EMILLY IZA - BIA MAZZOTTI - LETICIA PAIVA - PAOLA SLAVIERO - DAIANA PISCITELLE - ANGELINA BOITO - TALITA SANTOS Estamos ha 6 anos no ar - Mais de 700 acessos por dia, mais de um milhão de visualizações - http://mateusbrandodesouza.blogspot.com.br/- Obrigado por estar aqui, continue com a gente

terça-feira, 4 de julho de 2017

Aliança opositora desafia hegemonia da extrema-direita em Honduras

No fim de maio, Salvador Nasralla apresentava normalmente o programa dominical mais famoso da TV de Honduras pouco depois da convenção que o confirmou como candidato presidencial da Aliança contra a Ditadura.

Zelaya, Salvador Nasralla e Xiomara Castro durante o lançamento da coalizão

Por Murilo Matias

Formada pelo Partido Anticorrupção (PAC) e pelo Liberdade e Refundação (Libre), a coalização representa a maior ameaça à tentativa de reeleição do presidente Juan Orlando, do Partido Nacional, que aposta em uma polêmica emenda constitucional para driblar a proibição de buscar um segundo mandato.

Honduras vai às urnas em novembro em um pleito que poderia ajudar o país a deixar para trás a história do golpe ocorrido em 2009 contra o ex-presidente Manuel Zelaya.

Na eleição de 2013, a oposição ao regime se dividiu. Além de Nasralla, teve como candidata Xiomara Castro, esposa de Zelaya. Se tivessem concorridos juntos, Xiomara e Nasralla somariam 1,3 milhões de votos e superariam a votação obtida pelos nacionalistas.

Baseado nesse retrospecto, a união dos progressistas do Libre e da centro-direita representada pelo PAC pretende derrotar a hegemonia do Partido Nacional, o maior da América Central, com mais de um milhão de apoiadores.

O fato de a eleição ser disputada em turno único precipita coligações como a formatada pelas maiores forças opositoras. "Não temos unidade ideológica, mas se estivermos desunidos seremos derrotados pela fraude dos nacionalistas. Tenho um milhão de votos e com mais um milhão do Libre venceremos a eleição. Honduras é um produtor de pobres e isso vai acabar", afirmou Nasralla.

A postura de Xiomara Castro foi decisiva para a formação da aliança. Segunda mais votada na última disputa presidencial com quase 900 mil votos, a líder do Libre teve sua imagem projetada pela Frente de Resistência ao golpe contra Zelaya. Ele entregou a Nasralla a cabeça de chapa. Dois motivos pesaram – o machismo, que limita a presença das mulheres na política (no Congresso elas são apenas 10%, como no Brasil), e a rejeição dos que carimbam o Libre como uma organização comunista.

"Há uma cultura patriarcal difícil de romper. Salvador tem a vantagem de ser popular e não ter o rechaço de setores, mas não possui envergadura partidária. O Libre tem estrutura para fiscalizar as urnas e pela nossa disciplina podemos convocar o voto em Nasralla", diz Beatriz Valle (Libre), congressista mais votada da oposição, com 140 mil votos.

A terceira via é representada pelo Partido Liberal, que aposta no engenheiro Luis Zelaya. Antes hegemônico em seus confrontos com os nacionalistas, a sigla tem uma atuação vacilante no papel de oposição. "Queremos recuperar representatividade, mas não estou seguro de que nossos candidatos consigam sensibilizar os eleitores, ainda que o governo seja ditatorial e que os comunistas do Libre ameacem a propriedade privada, algo inaceitável para um país agarrado à Bíblia como o nosso", diz a reportagem Gustavo Simon, concorrente a deputado pelos liberais.

Coordenador do Conselho de Organizações Populares e Indígenas, Assunción Martínez expressa descrédito diante da conjuntura. "Não confiamos nos partidos, mantemos nossa luta enquanto somo criminalizados por governantes que violam direitos e servem ao imperialismo norte-americano”, afirma. “Defendemos uma Constituição elaborada pelos índios, campesinos, mulheres, pobres, para que haja uma refundação nacional”, afirma.

O domínio dos nacionalistas

Além de ferir a lei que não permite recondução ao cargo, a candidatura de Juan Orlando contrasta com a deterioração das garantias sociais, sintetizada na cesta básica mais cara da América Latina, junto da sensação de que o país transformou-se em um narcoestado. A acusação de envolvimento do ex-presidente nacionalista Porfírio Lobo com traficantes é um dos episódios que coloca dúvida sobre a postura do Estado frente à situação, ao passo que a morte de civis e policiais está entre os fatos comuns veiculados pela imprensa.

Além da violência, que obriga a presença de segurança privada em cada pequeno comércio, o alto custo de vida da nação mais desigual da região, de acordo com o Banco Mundial, exige que a maioria da massa trabalhadora mantenha-se com um salário mínimo de cinco mil lempiras (cerca de 300 dólares), mesmo valor estipulado para a cesta básica.

A desigualdade social urbana está na divisão de espaços que oferecem shoppings center elitizados, frequentados pela burguesia ou regiões marcadas por submoradias nos morros e periferias. Estima-se que 40% dos oito milhões de hondurenhos vivem a partir de subempregos ou encontram-se desempregados, ainda que se registre um crescimento econômico de 5%, de acordo com o Banco Central, no primeiro trimestre.

Na ilha de Amapala, um dos pontos turísticos mais visitados, a maioria dos funcionários dos estabelecimentos trabalha sem regularização legal, enquanto na zona rural a importante produção e exportação de alimentos e matérias-primas não impede a pobreza dos campesinos. Esse contingente, assim como a maioria dos trabalhadores, foi afetada pela lei que adia para 65 anos a idade para a aposentadoria, diante de uma expectativa de vida de 74 anos.

É sob essa realidade que impõe-se a supremacia nacionalista. Considerado de extrema-direita pelos opositores, o governo domina o Congresso e o Judiciário e, apoiado na crescente militarização, sobretudo entre os mais jovens, controla também as ruas, balizado pela lei que classifica como terroristas as manifestações públicas.

"Somos uma sociedade conservadora e nós professores temos culpa ao não formar massas críticas. Se protestamos somos chamados de terroristas e praticamente não podemos mais nos aposentar. Nos tempos de Zelaya promoveram-se históricas greves e ele aparecia para saber o que queríamos, garantia bônus, investia em educação", compara a professora Maria Hernandez.

A repressão aos movimentos reivindicatórios de professores e grupos sociais é repetida no campo, onde a violência teve um de seus ápices com o assassinato da ativista por direitos dos indígenas e das mulheres Berta Cáceres. A cooptação dos principais meios de comunicação pelo governo, por seu turno, silencia temas que possam trazer prejuízo ao oficialismo.

As deformidades se estendem a outros setores estratégicos, diz Beatriz Valle do Libre."Em nossa gestão haviam 600 mil famílias em programas sociais, restaurantes solidários, levava-se tecnologia ao campo, investia-se em subsídio para os transportes e energia”, afirma. “A partir do golpe e do retorno nacionalista temos o fechamento de escolas noturnas, aumento exponencial em gastos militares, crescimento da violência, vulnerabilidade aos trabalhadores e descaso com a saúde com 45 hospitais entregues a ONGs. Tudo feito com falta de transparência e autoritarismo", diz.

Do outro lado, os governistas buscam emplacar o discurso de uma administração sólida que merece a reeleição pelas obras estruturais realizadas e pela inserção no mercado internacional e atração de investimentos. A capacidade discursiva de Juan Orlando é um dos trunfos para destacar projetos como o crédito solidário, que oferece financiamento para pequenos negócios, as reformas viárias em Tegucigalpa, a capital, a qualificação de estradas e portos e o acesso a recursos estrangeiros.

No país recordista em número de feminicídios, com uma vítima a cada 16 horas, a construção da primeira Cidade da Mulher busca replicar o exitoso modelo concebido em El Salvador no qual uma sede oportuniza às mulheres atendimento médico, aprimoramento profissional e empoderamento de gênero. A tentativa de atrair o voto feminino esbarra na estagnação em pautas como a liberação do aborto, que segue proibido inclusive em casos de estupro e é combatido pelas majoritárias igrejas católicas e evangélicas.

"Temos muitos programas e o que ilustra a imagem humana do governo é o Vida Melhor, orientado a erradicar a pobreza ao melhorar as condições habitacionais, distribuir cestas básicas e até mesmo casas", pontua o coordenador da campanha nacionalista, deputado Rodolfo Navas. Ele projeta a eleição da metade dos 128 membros do Congresso e de 50% das 298 prefeituras, incluindo as duas maiores cidades, Tegucigalpa e San Pedro Sula.

Para fatia importante do eleitorado as ações não são suficientes para apostar em tamanha continuidade. Honduras segue com mais de 60% de sua população em situação de pobreza. Na saúde, o país apresenta a segunda menor quantidade de leitos públicos da América Latina, enquanto o analfabetismo atinge 12% da população, cuja escolaridade média é de nove anos.
São essas algumas das complexas realidades que serão confrontadas nas urnas ao final do ano. Enquanto isso, as palavras de Berta Cáceres continuarão como expressão da vivência e esperança do povo hondurenho. "O mais importante é que temos uma força que vem dos nossos ancestrais, herança de milhares de anos e da qual estamos orgulhosos. Esse é nosso alimento e nossa convicção na hora de lutar".

Fonte: Carta Capital

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...