APRESENTADO A COMARCA PARA O MUNDO E O MUNDO PARA A COMARCA

TEMOS O APOIO DE INFOMANIA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA Fones 9986 1218 - 3432 1208 - AUTO-MECÂNICA IDEAL FONE 3432-1791 - 9916-5789 - 9853-1862 - JOALHERIA OURO BRANCO 44 9839-3200 - NOVA ÓTICA Fone (44) 3432 -2305 Cel (44) 8817- 4769 Av. Londrina, 935 - Nova Londrina/PR - VOCÊ É BONITA? VENHA SER A PRÓXIMA BELA DA SEMANA - Já passaram por aqui: ARYY SILVA - ARIANE SILVA - MAYARA TEIXEIRA - MAYARA TAKATA - PAOLA ALVES - MORGANA VIOLIM - MAIQUELE VITALINO - BRENDA PIVA - ESTEFANNY CUSTÓDIO - ELENI FERREIRA - GIOVANA lIMA - GIOVANA NICOLINI - EVELLIN MARIA - LOHAINNE GONÇALVES - FRANCIELE ALMEIDA - LOANA XAVIER - GABRIELA CRUZ- KARINA SPOTTI - TÂNIA OLIVEIRA - RENATA LETÍCIA - TALITA FERNANDA - JADE CAROLINA - TAYNÁ MEDEIROS - BEATRIZ FONTES - LETYCIA MEDEIROS - MARYANA FREITAS - THAYLA BUGADÃO NAVARRO - LETÍCIA MENEGUETTI - STEFANI ALVES - CINDEL LIBERATO - RAFA-REIS - BEATRYZ PECINI - IZABELLY PECINI - THAIS BARBOSA - MICHELE CECCATTO - JOICE MARIANO - LOREN ZAGATI - GISELE BERNUSSO - RAFAELA RAYSSA - LUUH XAVIER - SARAH CRISTINA - YANNA LEAL - LAURA ARAÚJO TROIAN - GIOVANNA MONTEIRO DA SILVA - PRISCILLA MARTINS RIL - GABRIELLA MENEGUETTI JASPER - MARIA HELLOISA VIDAL SAMPAIO - HELOÍSA MONTE - DAYARA GEOVANA - ADRIANA SANTOS - EDILAINE VAZ - THAYS FERNANDA - CAMILA COSTA - JULIANA BONFIM - MILENA LIMA - DYOVANA PEREZ - JULIANA SOUZA - JESSICA BORÉGIO - JHENIFER GARBELINI - DAYARA CALHEIROS - ALINE PEREIRA - ISABELA AGUIRRE - ANDRÉIA PEREIRA - MILLA RUAS - MARIA FERNANDA COCULO - FRANCIELLE OLIVEIRA - DEBORA RIBAS - CIRLENE BARBERO - BIA SLAVIERO - SYNTHIA GEHRING - JULIANE VIEIRA - DUDA MARTINS - GISELI RUAS - DÉBORA BÁLICO - JUUH XAVIER - POLLY SANTOS - BRUNA MODESTO - GIOVANA LIMA - VICTÓRIA RONCHI - THANYA SILVEIRA - ALÉKSIA LAUREN - DHENISY BARBOSA - POLIANA SENSON - LAURA TRIZZ - FRANCIELLY CORDEIRO - LUANA NAVARRO - RHAYRA RODRIGUES - LARISSA PASCHOALLETO - ALLANA BEATRIZ - WANDERLÉIA TEIXEIRA CAMPOS - BRUNA DONATO - VERÔNICA FREITAS - SIBELY MARTELLO - MARCELA PIMENTEL - SILVIA COSTA - JHENIFER TRIZE - LETÍCIA CARLA -FERNANDA MORETTI - DANIELA SILVA - NATY MARTINS - NAYARA RODRIGUES - STEPHANY CALDEIRA - VITÓRIA CEZERINO - TAMIRES FONTES - ARIANE ROSSIN - ARIANNY PATRICIA - SIMONE RAIANE - ALÉXIA ALENCAR - VANESSA SOUZA - DAYANI CRISTINA - TAYNARA VIANNA - PRISCILA GEIZA - PATRÍCIA BUENO - ISABELA ROMAN - RARYSSA EVARISTO - MILEIDE MARTINS - RENATHA SOLOVIOFF - BEATRIZ DOURADO - NATALIA LISBOA - ADRIANA DIAS - SOLANGE FREITAS - LUANA RIBEIRO - YARA ROCHA - IDAMARA IASKIO - CAMILA XAVIER - BIA VIEIRA - JESSICA RODRIGUES - AMANDA GABRIELLI - BARBARA OLIVEIRA - VITORIA NERES - JAQUE SANTOS - KATIA LIMA - ARIELA LIMA - MARIA FERNANDA FRANCISQUETI - LARA E LARISSA RAVÃ MATARUCO - THATY ALVES - RAFAELA VICENTIN - ESTELLA CHIAMULERA - KATHY LOPES - LETICIA CAVALCANTE PISCITELI - VANUSA SANTOS - ROSIANE BARILLE - NATHÁLIA SORRILHA - LILA LOPES - PRISCILA LUKA - SAMARA ALVES - JANIELLY BOTA - ELAINE LEITE CAVALCANTE - INGRID ZAMPOLLO - DEBORA MANGANELLI - MARYHANNE MAZZOTTI - ROSANI GUEDES - JOICE RUMACHELLA - DAIANA DELVECHIO - KAREN GONGORA - FERNANDA HENRIQUE - KAROLAYNE NEVES TOMAS - KAHENA CHIAMULERA - MACLAINE SILVÉRIO BRANDÃO - IRENE MARY - GABRIELLA AZEVEDO - LUANA TALARICO - LARISSA TALARICO - ISA MARIANO - LEIDIANE CARDOSO - TAMIRES MONÇÃO - ALANA ISABEL - THALIA COSTA - ISABELLA PATRICIO - VICTHORIA AMARAL - BRUNA LIMA - ROSIANE SANTOS - LUANA STEINER - SIMONE OLIVEIRA CUSTÓDIO - MARIELLE DE SÁ - GISLAINE REGINA - DÉBORA ALMEIDA - KIMBERLY SANTOS - ISADORA BORGHI - JULIANA GESLIN - BRUNA SOARES - POLIANA PAZ BALIEIRO - GABRIELA ALVES - MAYME SLAVIERO - GABRIELA GEHRING - LUANA ANTUNES - KETELEN DAIANA - PAOLLA NOGUEIRA - POLIANY FERREIRA DOS ANOS - LUANA DE MORAES - EDILAINE TORRES - DANIELI SCOTTA - JORDANA HADDAD - WINY GONSALVES - THAÍSLA NEVES - ÉRICA LIMA CABRAL - ALEXIA BECKER - RAFAELA MANGANELLI - CAROL LUCENA - KLAU PALAGANO - ELISANDRA TORRES - WALLINA MAIA - JOYCE SAMARA - BIANCA GARCIA - SUELEN CAROLINE - DANIELLE MANGANELLI - FERNANDA HARUE - YARA ALMEIDA - MAYARA FREITAS - PRISCILLA PALMA - LAHOANA MOARAES - FHYAMA REIS - KAMILA PASQUINI - SANDY RIBEIRO - MAPHOLE MENENGOLO - TAYNARA GABELINI - DEBORA MARRETA - JESSICA LAIANE - BEATRIS LOUREIRO - RAFA GEHRING - JOCASTA THAIS - AMANDA BIA - VIVIAN BUBLITZ - THAIS BOITO - SAMIA LOPES - BRUNA PALMA - ALINE MILLER - CLEMER COSTA - LUIZA DANIARA – ANA CLAUDIA PICHITELLI – CAMILA BISSONI – ERICA SANTANA - KAROL SOARES - NATALIA CECOTE - MAYARA DOURADO - LUANA COSTA - ANA LUIZA VEIT - CRIS LAZARINI - LARISSA SORRILHA - ROBERTA CARMO - IULY MOTA - KAMILA ALVES - LOISLENE CRISTINA - THAIS THAINÁ - PAMELA LOPES - ISABELI ROSINSKI - GABRIELA SLAVIERO - LIARA CAIRES - FLÁVIA OLIVEIRA - GRAZI MOREIRA - JESSICA SABRINNI - RENATA SILVA -SABRINA SCHERER - AMANDA NATALIÊ - JESSICA LAVRATE - ANA PAULA WESTERKAMP- RENATA DANIELI - GISELLY RUIZ - ENDIARA RIZZO - *DAIANY E DHENISY BARBOSA - KETLY MILLENA - MICHELLE ENUMO - ISADORA GIMENES - GABRIELA DARIENSO - MILENA PILEGI - TAMIRES ONISHI - EVELIN FEROLDI - ELISANGELA SILVA - PAULA FONTANA CAVAZIM - ANNE DAL PRÁ - POLLIANA OGIBOWISKI - CAMILA MELLO - PATRICIA LAURENTINO - FLOR CAPELOSSI - TAMIRES PICCOLI - KATIELLY DA MATTA - BIANCA DONATO - CATIELE XAVIER - JACKELINE MARQUES - CAROL MAZZOTTI - DANDHARA JORDANA - BRENDA GREGÓRIO - DUDA LOPES - MILENA GUILHEN - MAYARA GREGÓRIO - BRUNA BOITO - BETHÂNIA PEREIRA - ARIELLI SCARPINI - CAROL VAZ - GISELY TIEMY -THAIS BISSONI - MARIANA OLIVEIRA - GABRIELA BOITO - LEYLLA NASCIMENTO - JULIANA LUCENA- KRISTAL ZILIO - RAFAELA HERRERA - THAYANA CRISTINA VAZ - TATIANE MONGELESKI - NAYARA KIMURA - HEGILLY CORREIA MIILLER - FRANCIELI DE SANTI - PAULA MARUCHI FÁVERO - THAÍS CAROLINY - IASMIM PAIVA - ALYNE SLAVIERO - ISABELLA MELQUÍADE - ISABELA PICOLLI - AMANDA MENDES - LARISSA RAYRA - FERNANDA BOITO - EMILLY IZA - BIA MAZZOTTI - LETICIA PAIVA - PAOLA SLAVIERO - DAIANA PISCITELLE - ANGELINA BOITO - TALITA SANTOS Estamos ha 6 anos no ar - Mais de 700 acessos por dia, mais de um milhão de visualizações - http://mateusbrandodesouza.blogspot.com.br/- Obrigado por estar aqui, continue com a gente

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Datafolha: 63% contra golpe dentro do golpe

Para quem imaginava que o Brasil havia ingressado numa fase de conformismo político absoluto, a pesquisa do Datafolha divulgada neste fim de semana contém uma revelação essencial.



Nada menos que 63% dos brasileiros estão fartos do governo Michel Temer, pedem sua renúncia e querem ir às urnas para escolher um novo presidente. São números que formam o horizonte político do próximo período e devem fazer parte de articulações, conversas de pé de ouvido e protestos de rua daqui para a frente.

Numa conjuntura de colapso visível da coalização golpista que tomou posse em 12 de maio, naquele processo que o ministro Joaquim Barbosa classificou como "encenação", esses 63% assumem a única perspectiva aceitável para enfrentar as incertezas do momento. Contra o golpe dentro do golpe, mais um "choque institucional" sem face visível em construção pelos donos do poder econômico e político que se tornaram senhores do Estado brasileiro com a deposição de Dilma Rousseff, os 63% lembram que não há melhor saída do que o voto direto. E é bom não haver uma sombra de dúvida a respeito.

Após uma vergonhosa de sucessão de "choques institucionais" e outras situações típicas de guerras políticas de beira de abismo exibidas nos últimos dias, é obrigatório reconhecer uma verdade histórica. Somente pela recuperação da soberania popular o país terá a oportunidade de substituir um governo falido em tempo recorde por um presidente eleito pelo voto direto, capaz de receber das urnas a imensa energia necessária para enfrentar uma das piores crise da história do capitalismo, que atinge o Brasil de forma especialmente dramática.

Neste ponto, o calendário ocupa um lugar essencial. Conforme a Constituição, caso Temer seja afastado até 31 de dezembro, a convocação de eleições diretas no prazo de 90 dias é um processo automático – salvo um novo "choque institucional" improvisado, sabe-se lá em qual laboratório institucional, desta vez.

A este respeito, cabe até uma piadinha esotérica. Imagine se, depois da entrevista com a presidente do STF Carmen Lucia, exibida ontem, no programa chamado Minha Estupidez, a atriz-escritora Fernanda Torres tenha sido convidada a participado de outro evento na Capital Federal. Imagine ainda, sempre neste roteiro de pura comédia de ficção política, que Fernandinha tenha sido chamada para uma conversa na residência do deputado Heráclito Fortes, o Boca Mole nas listas da Odebrecht – foi ali que ocorram vários encontros que levaram ao impeachment de Dilma – e, no final, tenha saído dali como nova candidata a presidente da República, escolhida por voto indireto. Será possível?

Ou será que a coisa anda tão confusa que acabei invertendo os papéis das duas?

A questão está colocada. Caso Michel Temer permanece no cargo após a data fatídica, ocorre uma escolha indireta pelo Congresso e aí o esforço pelo retorno a democracia será travado em circunstâncias mais difíceis. Para começar, não só haverá um (ou uma) presidente no cargo, mandato novo em folha, com direito a beneficiar-se do efeito anestesiante sobre a população que o apoio incondicional do monopólio dos meios de comunicação costuma assegurar a seus escolhidos, ao menos por um período.

Nesta circunstância, será preciso enfrentar uma luta dura nas ruas do país -- e também nos corredores de Brasília -- para aprovar uma emenda constitucional para garantir o voto direto, evitando que um governo escolhido pelo conchavo de gabinetes, agora sem qualquer resquício, mesmo remoto, do voto popular, possa dar sequencia ao plano de recolonização do país pelos interesses globalizados, internos e especialmente externos.

Por mais que o espírito natalino seja capaz de produzir emoções conhecidas nessas "retinas tão fatigadas", como disse Carlos Drummond de Andrade diante daquela pedra que surgiu em seu caminho, um "fato extraordinário", há muito deixei de acreditar na existência de Papai Noel. Não consigo imaginar que a renúncia faça parte do conjunto de opções realistas de um presidente que assumiu o governo através de um golpe de Estado articulado com base na dissimulação e na traição aos princípios democráticos. Não vejo como esperar um "ato de grandeza, após uma sucessão de opções mesquinhas. Por essa razão, ainda que a marca de 63% aponte para uma maioria confortável, irrespondível, me parece prudente acreditar que uma vitória democrática não irá ocorrer sem um grande esforço para transformar essa matemática em força política.

Em 127 anos de história, nossa República registra duas renúncias dignas deste nome. Uma delas, de Jânio Quadros, foi uma tentativa de conquistar plenos poderes numa acrobacia de circo: abandonar o governo num gesto repentino na esperança de retornar ao Planalto nos braços do povo. Foi tão ridículo que acabou abandonado até pelos aliados mais próximos.

A outra foi o tiro no peito de Getúlio. Em 1954, com a força única dos que sacrificam a própria vida, Getúlio abriu caminho para uma das maiores mobilizações populares da história brasileira, capaz de bloquear um golpe militar que se encontrava nos capítulos finais e assegurar, em 1955, a eleição do governo desenvolvimentista de Juscelino Kubitschek. Nada que se compare aos personagens e dores do Brasil neste verão de 2016, após duas décadas e meia de pensamento único e do Fim da História, hoje em ritmo pós-verdade e a flexibilização de princípios e direitos dos povos e países às conveniências aos poderosos da globalização.

A renuncia como resposta a valores como decoro, honra, dignidade, faz parte da lógica de governos que se apoiam em alguma forma de legitimidade popular, que aceitam a noção de que não é possível administrar um país sem o respaldo de uma parcela da sociedade, e a concordância de outra parte. Isso explica porque até Richard Nixon, um presidente cuja falta de escrúpulos no exercício do poder dispensa comentários, preferiu renunciar quando a Suprema Corte chegou perto de fitas que provavam seu envolvimento no escândalo Watergate. Nixon deixou a Casa Branca com os dedos em sinal de paz e amor e um sorriso nos lábios -- num gesto óbvio de reconciliação, mesmo marota, com a população de seu país.

A mudança neste código de conduta comum às democracias foi a grande alteração de fundo produzida, no Brasil, pelo golpe de 31 de agosto. Como era de se esperar, a partir daí os beneficiários do estado de exceção não se julgam na obrigação de prestar contas ao povo. Possuem um tipo de certeza alimentada pela auto suficiência, o que torna difícil encontrar uma saída civilizada para seus atos. Podem renunciar para salvar a própria pele -- comportamento que depende, acima de tudo, da capacidade da população se mobilizar em defesa de direitos e conquistas, processo que pode levar ao abandono por parte de amigos e protetores.

Só consigo ver a luta pela recuperação da democracia brasileira como um processo árduo e difícil, que pode levar um período muito mais longo do que os quinze dias úteis - contando a segunda-feira, 12 - que restam até 31 de dezembro. Seu resultado não pode depender da boa vontade de um governante.

Isso acontece também por um bom número de razões. A primeira é que Temer não é, a rigor, o dono de seu mandato mas o instrumento daquele conjunto de forças que articulou um golpe parlamentar contra um governo indesejável. Não pode bater a porta e ir embora, num ato repentino de prima donna de ópera. Embora tenha assumido o Planalto na esperança de ficar até 2018, e só os bajuladores incorrigíveis do jornalismo gostavam de especular sobre uma reeleição sempre inviável, os compromissos que assumiu implicam em mudanças que se projetam por várias décadas, quem sabe mais de um século no futuro dos brasileiros. Valem trilhões de dólares para as partes beneficiadas, implicam em mudanças relevantes na diplomacia mundial e na distribuição de riquezas do planeta, num país que abriga um PIB comparável ao da Itália e ao da Inglaterra, com um poder de influenciar o conjunto da América Latina.

O segundo ponto é político-eleitoral. Os adversários tradicionais do projeto Lula-Dilma não conseguiram construir uma alternativa realista para disputar a presidência com chances de vitória. A renúncia de Temer, desse ponto de vista, teria boas chances de se encerrar pelo retorno das forças que governaram o país entre 2003 e 2016. No Data Folha de hoje, Lula é o primeiro colocado num eventual primeiro turno em 2018. Não é pouca coisa, considerando o massacre permanente a sua candidatura.

Isso quer dizer que mesmo contando com uma maioria de 63%, a luta por diretas pode envolver uma disputa prolongada. Do ponto de vista de quem faz a agenda do Planalto e tem os meios para que seja executada, a prioridade é garantir a sobrevivência de Temer de qualquer maneira até o fatídico 31 de dezembro. Depois disso, se não houver jeito, será preciso processar sua substituição, sempre num ambiente de segurança máxima, sem arestas nem pequenos desvios que possam abrir caminho a manifestação indesejável do povo. 

Este cuidado que já chegou a maioria do STF, como se viu no esforço para preservar os poderes de Renan Calheiros para conduzir a votação de medidas essenciais – a começar pela PEC 55. Do ponto de vista dos vitoriosos de 31 de agosto, esta é a agenda que importa. Quem estiver com ela irá ouvir juras de amor eterno e e garantias de bônus por desempenho.

Via - Brasil 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...