APRESENTADO A COMARCA PARA O MUNDO E O MUNDO PARA A COMARCA

TEMOS O APOIO DE INFOMANIA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA Fones 9986 1218 - 3432 1208 - AUTO-MECÂNICA IDEAL FONE 3432-1791 - 9916-5789 - 9853-1862 - JOALHERIA OURO BRANCO 44 9839-3200 - NOVA ÓTICA Fone (44) 3432 -2305 Cel (44) 8817- 4769 Av. Londrina, 935 - Nova Londrina/PR - VOCÊ É BONITA? VENHA SER A PRÓXIMA BELA DA SEMANA - Já passaram por aqui: PAOLA ALVES - MORGANA VIOLIM - MAIQUELE VITALINO - BRENDA PIVA - ESTEFANNY CUSTÓDIO - ELENI FERREIRA - GIOVANA lIMA - GIOVANA NICOLINI - EVELLIN MARIA - LOHAINNE GONÇALVES - FRANCIELE ALMEIDA - LOANA XAVIER - GABRIELA CRUZ- KARINA SPOTTI - TÂNIA OLIVEIRA - RENATA LETÍCIA - TALITA FERNANDA - JADE CAROLINA - TAYNÁ MEDEIROS - BEATRIZ FONTES - LETYCIA MEDEIROS - MARYANA FREITAS - THAYLA BUGADÃO NAVARRO - LETÍCIA MENEGUETTI - STEFANI ALVES - CINDEL LIBERATO - RAFA-REIS - BEATRYZ PECINI - IZABELLY PECINI - THAIS BARBOSA - MICHELE CECCATTO - JOICE MARIANO - LOREN ZAGATI - GISELE BERNUSSO - RAFAELA RAYSSA - LUUH XAVIER - SARAH CRISTINA - YANNA LEAL - LAURA ARAÚJO TROIAN - GIOVANNA MONTEIRO DA SILVA - PRISCILLA MARTINS RIL - GABRIELLA MENEGUETTI JASPER - MARIA HELLOISA VIDAL SAMPAIO - HELOÍSA MONTE - DAYARA GEOVANA - ADRIANA SANTOS - EDILAINE VAZ - THAYS FERNANDA - CAMILA COSTA - JULIANA BONFIM - MILENA LIMA - DYOVANA PEREZ - JULIANA SOUZA - JESSICA BORÉGIO - JHENIFER GARBELINI - DAYARA CALHEIROS - ALINE PEREIRA - ISABELA AGUIRRE - ANDRÉIA PEREIRA - MILLA RUAS - MARIA FERNANDA COCULO - FRANCIELLE OLIVEIRA - DEBORA RIBAS - CIRLENE BARBERO - BIA SLAVIERO - SYNTHIA GEHRING - JULIANE VIEIRA - DUDA MARTINS - GISELI RUAS - DÉBORA BÁLICO - JUUH XAVIER - POLLY SANTOS - BRUNA MODESTO - GIOVANA LIMA - VICTÓRIA RONCHI - THANYA SILVEIRA - ALÉKSIA LAUREN - DHENISY BARBOSA - POLIANA SENSON - LAURA TRIZZ - FRANCIELLY CORDEIRO - LUANA NAVARRO - RHAYRA RODRIGUES - LARISSA PASCHOALLETO - ALLANA BEATRIZ - WANDERLÉIA TEIXEIRA CAMPOS - BRUNA DONATO - VERÔNICA FREITAS - SIBELY MARTELLO - MARCELA PIMENTEL - SILVIA COSTA - JHENIFER TRIZE - LETÍCIA CARLA -FERNANDA MORETTI - DANIELA SILVA - NATY MARTINS - NAYARA RODRIGUES - STEPHANY CALDEIRA - VITÓRIA CEZERINO - TAMIRES FONTES - ARIANE ROSSIN - ARIANNY PATRICIA - SIMONE RAIANE - ALÉXIA ALENCAR - VANESSA SOUZA - DAYANI CRISTINA - TAYNARA VIANNA - PRISCILA GEIZA - PATRÍCIA BUENO - ISABELA ROMAN - RARYSSA EVARISTO - MILEIDE MARTINS - RENATHA SOLOVIOFF - BEATRIZ DOURADO - NATALIA LISBOA - ADRIANA DIAS - SOLANGE FREITAS - LUANA RIBEIRO - YARA ROCHA - IDAMARA IASKIO - CAMILA XAVIER - BIA VIEIRA - JESSICA RODRIGUES - AMANDA GABRIELLI - BARBARA OLIVEIRA - VITORIA NERES - JAQUE SANTOS - KATIA LIMA - ARIELA LIMA - MARIA FERNANDA FRANCISQUETI - LARA E LARISSA RAVÃ MATARUCO - THATY ALVES - RAFAELA VICENTIN - ESTELLA CHIAMULERA - KATHY LOPES - LETICIA CAVALCANTE PISCITELI - VANUSA SANTOS - ROSIANE BARILLE - NATHÁLIA SORRILHA - LILA LOPES - PRISCILA LUKA - SAMARA ALVES - JANIELLY BOTA - ELAINE LEITE CAVALCANTE - INGRID ZAMPOLLO - DEBORA MANGANELLI - MARYHANNE MAZZOTTI - ROSANI GUEDES - JOICE RUMACHELLA - DAIANA DELVECHIO - KAREN GONGORA - FERNANDA HENRIQUE - KAROLAYNE NEVES TOMAS - KAHENA CHIAMULERA - MACLAINE SILVÉRIO BRANDÃO - IRENE MARY - GABRIELLA AZEVEDO - LUANA TALARICO - LARISSA TALARICO - ISA MARIANO - LEIDIANE CARDOSO - TAMIRES MONÇÃO - ALANA ISABEL - THALIA COSTA - ISABELLA PATRICIO - VICTHORIA AMARAL - BRUNA LIMA - ROSIANE SANTOS - LUANA STEINER - SIMONE OLIVEIRA CUSTÓDIO - MARIELLE DE SÁ - GISLAINE REGINA - DÉBORA ALMEIDA - KIMBERLY SANTOS - ISADORA BORGHI - JULIANA GESLIN - BRUNA SOARES - POLIANA PAZ BALIEIRO - GABRIELA ALVES - MAYME SLAVIERO - GABRIELA GEHRING - LUANA ANTUNES - KETELEN DAIANA - PAOLLA NOGUEIRA - POLIANY FERREIRA DOS ANOS - LUANA DE MORAES - EDILAINE TORRES - DANIELI SCOTTA - JORDANA HADDAD - WINY GONSALVES - THAÍSLA NEVES - ÉRICA LIMA CABRAL - ALEXIA BECKER - RAFAELA MANGANELLI - CAROL LUCENA - KLAU PALAGANO - ELISANDRA TORRES - WALLINA MAIA - JOYCE SAMARA - BIANCA GARCIA - SUELEN CAROLINE - DANIELLE MANGANELLI - FERNANDA HARUE - YARA ALMEIDA - MAYARA FREITAS - PRISCILLA PALMA - LAHOANA MOARAES - FHYAMA REIS - KAMILA PASQUINI - SANDY RIBEIRO - MAPHOLE MENENGOLO - TAYNARA GABELINI - DEBORA MARRETA - JESSICA LAIANE - BEATRIS LOUREIRO - RAFA GEHRING - JOCASTA THAIS - AMANDA BIA - VIVIAN BUBLITZ - THAIS BOITO - SAMIA LOPES - BRUNA PALMA - ALINE MILLER - CLEMER COSTA - LUIZA DANIARA – ANA CLAUDIA PICHITELLI – CAMILA BISSONI – ERICA SANTANA - KAROL SOARES - NATALIA CECOTE - MAYARA DOURADO - LUANA COSTA - ANA LUIZA VEIT - CRIS LAZARINI - LARISSA SORRILHA - ROBERTA CARMO - IULY MOTA - KAMILA ALVES - LOISLENE CRISTINA - THAIS THAINÁ - PAMELA LOPES - ISABELI ROSINSKI - GABRIELA SLAVIERO - LIARA CAIRES - FLÁVIA OLIVEIRA - GRAZI MOREIRA - JESSICA SABRINNI - RENATA SILVA -SABRINA SCHERER - AMANDA NATALIÊ - JESSICA LAVRATE - ANA PAULA WESTERKAMP- RENATA DANIELI - GISELLY RUIZ - ENDIARA RIZZO - *DAIANY E DHENISY BARBOSA - KETLY MILLENA - MICHELLE ENUMO - ISADORA GIMENES - GABRIELA DARIENSO - MILENA PILEGI - TAMIRES ONISHI - EVELIN FEROLDI - ELISANGELA SILVA - PAULA FONTANA CAVAZIM - ANNE DAL PRÁ - POLLIANA OGIBOWISKI - CAMILA MELLO - PATRICIA LAURENTINO - FLOR CAPELOSSI - TAMIRES PICCOLI - KATIELLY DA MATTA - BIANCA DONATO - CATIELE XAVIER - JACKELINE MARQUES - CAROL MAZZOTTI - DANDHARA JORDANA - BRENDA GREGÓRIO - DUDA LOPES - MILENA GUILHEN - MAYARA GREGÓRIO - BRUNA BOITO - BETHÂNIA PEREIRA - ARIELLI SCARPINI - CAROL VAZ - GISELY TIEMY -THAIS BISSONI - MARIANA OLIVEIRA - GABRIELA BOITO - LEYLLA NASCIMENTO - JULIANA LUCENA- KRISTAL ZILIO - RAFAELA HERRERA - THAYANA CRISTINA VAZ - TATIANE MONGELESKI - NAYARA KIMURA - HEGILLY CORREIA MIILLER - FRANCIELI DE SANTI - PAULA MARUCHI FÁVERO - THAÍS CAROLINY - IASMIM PAIVA - ALYNE SLAVIERO - ISABELLA MELQUÍADE - ISABELA PICOLLI - AMANDA MENDES - LARISSA RAYRA - FERNANDA BOITO - EMILLY IZA - BIA MAZZOTTI - LETICIA PAIVA - PAOLA SLAVIERO - DAIANA PISCITELLE - ANGELINA BOITO - TALITA SANTOS Estamos ha 6 anos no ar - Mais de 700 acessos por dia, mais de um milhão de visualizações - http://mateusbrandodesouza.blogspot.com.br/- Obrigado por estar aqui, continue com a gente

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

O "feliz dia dos pais" para o ministro Ricardo Barros

O desconhecimento sobre o feminismo produz um sem fim de mitos sobre a feminista. Um deles é o ódio aos homens. Não tenho dúvidas de que algumas feministas odeiam homens, assim como não tenho dúvidas de que algumas pessoas odeiam outras. Mas a ênfase aqui é no “algumas”: o ódio é um sentimento humano, e como tal é passível de ser encontrado em qualquer grupo ou movimento social.

A resposta da filha deputada ao pai, sem ser meramente técnica, tampouco aparenta ódio. Ela apenas aponta, e delicadamente, o machismo de seu genitor: 

Por Joanna Burigo
No Carta Capital

Há muito que dizer sobre o ódio, desde o que o produz, passando pelos contextos que o fomentam, até o seu poder transformador – que pode ser positivo se direcionado à desconstrução de estruturas sociais de opressão.

Mas este texto não é sobre ódio, e se o menciono é apenas para dissipar o mito do ódio feminista aos homens, que frequentemente serve de justificativa para que muitos se fechem para o nosso discurso.

A iniquidade de gênero – e não o ódio aos homens – é a premissa da qual partem as feministas. Não é necessário aderir à causa para constatar que existe desigualdade social entre homens e mulheres, no entanto – muito embora seja esta constatação o que leva muita gente a se declarar feminista.

Então partindo do pressuposto que existe desigualdade (existe), e que essa desigualdade pesa mais negativamente sobre as mulheres do que sobre os homens (ela pesa), não é surpreendente que os comportamentos, atitudes e falas machistas dos homens sejam alvo frequente de nossas denúncias.

Por isso é até compreensível que o feminismo seja confundido com o ódio aos homens. Mas é preciso elucidar: apontar machismo é bem diferente de odiar os homens.

Um caso recente, envolvendo um pai e uma filha (que até onde sei sequer se declara feminista, por sinal), ajuda a elucidar esta diferença. Falo da resposta pública que a deputada estadual Maria Victoria Borghetti Barros (PP-PR) deu, através de um vídeo publicado em seu perfil de Facebook, para a declaração do próprio pai, o ministro da Saúde Ricardo Barros.

O ministro, ao lançar o programa Pré-Natal do Parceiro – projeto bonito e importante que visa incentivar homens a fazerem exames de prevenção ao acompanharem suas mulheres nos postos de atendimento durante a gravidez – fez uma afirmação fundamentada não em dados, mas em sua opinião.

E sua opinião – além de ser, sabe, só uma opinião – é machista. E é machista não por ser somente uma opinião, nem somente por ser uma opinião mal informada. É machista por ser uma opinião pautada numa inverdade cuja única decorrência é corroborar com a manutenção da ideia falsa de que mulheres trabalham menos que homens.

O professor Leandro Karnal, ao mencionar o assunto em suas redes, foi sarcástico: “o machismo não cede nem à lógica estatística”, disse. Isso porque Barros afirmou que homens, os “provedores dos lares brasileiros”, procuram menos atendimento de saúde porque “trabalham mais” e “possuem menos tempo” do que as mulheres.

Acontece, ministro, que não é para isso que apontam os institutos de pesquisa.De acordo com o IBGE, pelo menos 40% dos lares brasileiros são chefiados (leia: financiados) por mulheres, e dados divulgados em 2014 pelaPesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) mostram que a jornada semanal de trabalho delas (o que inclui a jornada de trabalho doméstico, que para as mulheres é de 20,6 horas semanais, mais que o dobro da observada para os homens, de 9,8) tem quase cinco horas a mais que a deles. Considerando essa dupla jornada, as mulheres trabalham em média 56,4 horas semanais, e os homens 51,6 horas.

Como se não bastasse, o trabalho doméstico tende a não ser remunerado – mas mesmo quando o trabalho é pago, mulheres podem ganhar até 25,6% a menos que homens pela mesma função. Isso quem diz não sou eu, nem as feministas – mas a Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe (CEPAL).

A gente fala, não acreditam. Então a gente testa nossas hipóteses com pesquisas, dados, análises, estudos. Depois, instituições sérias divulgam estas informações de forma oficial. Segue a mídia, que parece estar compreendendo mais e mais o que é dito pelo feminismo. Daí.

Daí os homens no poder continuam preferindo sua própria opinião. E são as feministas que odeiam os homens? Apontar a realidade não é ódio, e a sociedade deveria agradecer que as mulheres querem somente equidade, e não vingança.

Voltando à resposta da filha deputada para o pai ministro, Maria Victoria também assinalou os dados. Mas sua resposta, sem ser meramente técnica, tampouco aparenta ódio. Ela apenas aponta, e delicadamente, o machismo de seu genitor:

“Pai, logo o senhor, com duas mulheres como nós em casa (...) e trabalhamos tanto quanto o senhor. (...) E não precisa de dados para mostrar o quanto as mulheres trabalham nesse Brasil inteiro. Depois de trabalhar fora de casa, ainda tem de trabalhar em casa, a famosa jornada dupla de trabalho. Não é isso mulherada?”

É, Maria Victória. É exatamente isso.

E já que estamos falando de pai e filha, vale lembrar que neste domingo comemora-se o dia dos pais. É garantido que, nesta efeméride, abundem críticas feministas.

Nas redes sociais, a campanha #ÉMeuPaiMas já acumula relatos de cortar o coração: histórias de descaso, abandono, falta de reconhecimento legal, não-pagamento de pensão, preconceito e violência doméstica, cujos protagonistas (por ausência) são... homens.

Fazer estes relatos não é a mesma coisa que ter ódio, ainda que alguns estejam cheios dele. Não é ódio nem aos homens nem aos pais o que emana destas denúncias. É apenas a realidade.

Ainda que não seja a realidade de todas, é a realidade de um número expressivo de mulheres e crianças, e compilar estas histórias – assim como compilar dados sobre as diferenças entre jornada de trabalho, ou salários – nos fornece dados significativos o suficiente para que se constituam análises sobre um padrão que é social, e não um problema individual.

Termino esse texto com uma confissão e homenagem, por saber que as duas coisas colaboram para a desconstrução do mito do ódio feminista aos homens.

Meu pai, além de ser um homem muito (mais muito) sabido e generoso, sempre esteve presente na minha vida e na do meu irmão, e sempre nos tratou com a maior dignidade e respeito.

Para ele, o fato de eu ser menina, ou mulher, significa muito pouco. Nunca fui “sua princesa”, e até hoje ele me chama de “minha águia”, pois me educou para voar.

Eu queria muito que todos os homens tratassem todas as mulheres como meu pai me trata. Mas não é esse o caso. Se assim fosse, não precisaríamos trabalhar pelo fim do machismo e misoginia. Se todos os patriarcas fossem com suas filhas o que o meu é comigo, não me interessaria desconstruir o patriarcado, pois ele seria o próprio feminismo.

Tive muita sorte, e desejo um feliz dia dos pais para aqueles cujas filhas também têm. Para a maioria dos pais, no entanto, meu desejo tampouco é por um dia infeliz, pois isso nada tem a ver com ódio. Só gostaria que passassem a ouvir, assimilar, compreender e respeitar o que dizem as mulheres. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...