segunda-feira, 13 de março de 2017

Mulheres latinas cantam a revolução que se pode dançar

Ao pensar em Cumbia e Reggaeton dificilmente associamos estes ritos a letras engajadas em questões sociais. Mas algumas mulheres latino-americanas romperam com este padrão e mostram que música “callejera” (das ruas) e revolução estão mais próximas do que se imagina. “É uma revolução que você pode dançar”, diz a apresentação da cantora argentina La Yegros.

Ana Tijoux, Rebeca Lane, La Yegros e Miss Bolívia 
Por Mariana Serafini

Aparentemente 2016 foi o ano delas, Ana Tijoux, Rebeca Lane, La Yegros e Miss Bolívia lançaram discos cujo tema principal é a defesa de direitos iguais para as mulheres e as questões sociais de seus países. Outra característica comum é o carimbo das raízes e do folclore em meio aos ritmos populares.

A franco-chilena Ana Tijoux começou no rap, ainda na França, onde nasceu durante o exílio de seus pais, na ditadura de Augusto Pinochet, e consolidou sua carreira no Chile. Depois de uma profunda pesquisa sobre as raízes da música chilena, ela traz em seu novo disco, Caraveritas (2016), instrumentos folclóricos que deixam as canções mais suaves, diferente das batidas de rap e reggaeton de antes.


Autora de hits como Antipatriarca e Somos el Sur e vencedora de quatro edições do Gramy Latino, Ana Tijoux surge repaginada, mais voltada à cultura latino-americana, mas sem deixar de lado a luta social.

No outro extremo do continente, a Guatemala, está a socióloga Rebeca Lane. Conhecida como Miss Pane Lane, ela se dedica à empoderar mulheres através da música de protesto no país considerado um dos mais perigosos para ser mulher no continente. Integrante do Coletivo Última Dose e fundadora do Somos Guerreiras, propõe dar visibilidade ao trabalho de mulheres da América Central através do Hip Hop.



Depois de uma parceria com a argentina Miss Bolivia na canção Libre, Atrevida y Loca que ganhou as pistas de todo o continente, Rebeca Lane lançou seu disco de maior repercussão internacional, Alma Mestiza, em agosto do ano passado. Além da música, ela publica sua poesia em revistas literárias da Guatemala, Porto Rico e México. Como socióloga, investiga a cultura juvenil e tribos urbanas de seu país.

Mariana Yegros, a La Yegros, vive entre Buenos Aires e França porque seu segundo disco, Magnetismo (2016), já conquistou a Europa. Denominada a “Rainha da Nu Cumbia”, ela “corta” a “cumbia masculina” com uma atitude leve e vibrante, forjada nos climas tropicais do nordeste da Argentina, na fronteira com o Brasil.



Assim como as demais cantoras, mescla instrumentos folclóricos e temas sociais ao ritmo mais “callejero” de seu país. Afinal, a cumbia está para a Argentina como funk está para o Brasil.

A também argentina Miss Bolívia começou o ano com um disco diferente de tudo que já havia lançado. Com um pé no pop e outro na cumbia, ela traz uma obra completamente nova, mais madura e engajada.


No disco Pantera, Miss Bolívia apresenta canções dedicadas a denunciar a violência contra a mulher, a ditadura Argentina e outras questões sociais latentes em seu país. Tem até uma aproximação mais enfática com o Brasil, a segunda faixa é uma versão dançante da nossa Maria Maria, de Milton Nascimento, regravada também por Mercedes Sosa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...