APRESENTADO A COMARCA PARA O MUNDO E O MUNDO PARA A COMARCA

TEMOS O APOIO DE INFOMANIA SOLUÇÕES EM INFORMÁTICA Fones 9986 1218 - 3432 1208 - AUTO-MECÂNICA IDEAL FONE 3432-1791 - 9916-5789 - 9853-1862 - JOALHERIA OURO BRANCO 44 9839-3200 - NOVA ÓTICA Fone (44) 3432 -2305 Cel (44) 8817- 4769 Av. Londrina, 935 - Nova Londrina/PR - VOCÊ É BONITA? VENHA SER A PRÓXIMA BELA DA SEMANA - Já passaram por aqui: ARYY SILVA - ARIANE SILVA - MAYARA TEIXEIRA - MAYARA TAKATA - PAOLA ALVES - MORGANA VIOLIM - MAIQUELE VITALINO - BRENDA PIVA - ESTEFANNY CUSTÓDIO - ELENI FERREIRA - GIOVANA lIMA - GIOVANA NICOLINI - EVELLIN MARIA - LOHAINNE GONÇALVES - FRANCIELE ALMEIDA - LOANA XAVIER - GABRIELA CRUZ- KARINA SPOTTI - TÂNIA OLIVEIRA - RENATA LETÍCIA - TALITA FERNANDA - JADE CAROLINA - TAYNÁ MEDEIROS - BEATRIZ FONTES - LETYCIA MEDEIROS - MARYANA FREITAS - THAYLA BUGADÃO NAVARRO - LETÍCIA MENEGUETTI - STEFANI ALVES - CINDEL LIBERATO - RAFA-REIS - BEATRYZ PECINI - IZABELLY PECINI - THAIS BARBOSA - MICHELE CECCATTO - JOICE MARIANO - LOREN ZAGATI - GISELE BERNUSSO - RAFAELA RAYSSA - LUUH XAVIER - SARAH CRISTINA - YANNA LEAL - LAURA ARAÚJO TROIAN - GIOVANNA MONTEIRO DA SILVA - PRISCILLA MARTINS RIL - GABRIELLA MENEGUETTI JASPER - MARIA HELLOISA VIDAL SAMPAIO - HELOÍSA MONTE - DAYARA GEOVANA - ADRIANA SANTOS - EDILAINE VAZ - THAYS FERNANDA - CAMILA COSTA - JULIANA BONFIM - MILENA LIMA - DYOVANA PEREZ - JULIANA SOUZA - JESSICA BORÉGIO - JHENIFER GARBELINI - DAYARA CALHEIROS - ALINE PEREIRA - ISABELA AGUIRRE - ANDRÉIA PEREIRA - MILLA RUAS - MARIA FERNANDA COCULO - FRANCIELLE OLIVEIRA - DEBORA RIBAS - CIRLENE BARBERO - BIA SLAVIERO - SYNTHIA GEHRING - JULIANE VIEIRA - DUDA MARTINS - GISELI RUAS - DÉBORA BÁLICO - JUUH XAVIER - POLLY SANTOS - BRUNA MODESTO - GIOVANA LIMA - VICTÓRIA RONCHI - THANYA SILVEIRA - ALÉKSIA LAUREN - DHENISY BARBOSA - POLIANA SENSON - LAURA TRIZZ - FRANCIELLY CORDEIRO - LUANA NAVARRO - RHAYRA RODRIGUES - LARISSA PASCHOALLETO - ALLANA BEATRIZ - WANDERLÉIA TEIXEIRA CAMPOS - BRUNA DONATO - VERÔNICA FREITAS - SIBELY MARTELLO - MARCELA PIMENTEL - SILVIA COSTA - JHENIFER TRIZE - LETÍCIA CARLA -FERNANDA MORETTI - DANIELA SILVA - NATY MARTINS - NAYARA RODRIGUES - STEPHANY CALDEIRA - VITÓRIA CEZERINO - TAMIRES FONTES - ARIANE ROSSIN - ARIANNY PATRICIA - SIMONE RAIANE - ALÉXIA ALENCAR - VANESSA SOUZA - DAYANI CRISTINA - TAYNARA VIANNA - PRISCILA GEIZA - PATRÍCIA BUENO - ISABELA ROMAN - RARYSSA EVARISTO - MILEIDE MARTINS - RENATHA SOLOVIOFF - BEATRIZ DOURADO - NATALIA LISBOA - ADRIANA DIAS - SOLANGE FREITAS - LUANA RIBEIRO - YARA ROCHA - IDAMARA IASKIO - CAMILA XAVIER - BIA VIEIRA - JESSICA RODRIGUES - AMANDA GABRIELLI - BARBARA OLIVEIRA - VITORIA NERES - JAQUE SANTOS - KATIA LIMA - ARIELA LIMA - MARIA FERNANDA FRANCISQUETI - LARA E LARISSA RAVÃ MATARUCO - THATY ALVES - RAFAELA VICENTIN - ESTELLA CHIAMULERA - KATHY LOPES - LETICIA CAVALCANTE PISCITELI - VANUSA SANTOS - ROSIANE BARILLE - NATHÁLIA SORRILHA - LILA LOPES - PRISCILA LUKA - SAMARA ALVES - JANIELLY BOTA - ELAINE LEITE CAVALCANTE - INGRID ZAMPOLLO - DEBORA MANGANELLI - MARYHANNE MAZZOTTI - ROSANI GUEDES - JOICE RUMACHELLA - DAIANA DELVECHIO - KAREN GONGORA - FERNANDA HENRIQUE - KAROLAYNE NEVES TOMAS - KAHENA CHIAMULERA - MACLAINE SILVÉRIO BRANDÃO - IRENE MARY - GABRIELLA AZEVEDO - LUANA TALARICO - LARISSA TALARICO - ISA MARIANO - LEIDIANE CARDOSO - TAMIRES MONÇÃO - ALANA ISABEL - THALIA COSTA - ISABELLA PATRICIO - VICTHORIA AMARAL - BRUNA LIMA - ROSIANE SANTOS - LUANA STEINER - SIMONE OLIVEIRA CUSTÓDIO - MARIELLE DE SÁ - GISLAINE REGINA - DÉBORA ALMEIDA - KIMBERLY SANTOS - ISADORA BORGHI - JULIANA GESLIN - BRUNA SOARES - POLIANA PAZ BALIEIRO - GABRIELA ALVES - MAYME SLAVIERO - GABRIELA GEHRING - LUANA ANTUNES - KETELEN DAIANA - PAOLLA NOGUEIRA - POLIANY FERREIRA DOS ANOS - LUANA DE MORAES - EDILAINE TORRES - DANIELI SCOTTA - JORDANA HADDAD - WINY GONSALVES - THAÍSLA NEVES - ÉRICA LIMA CABRAL - ALEXIA BECKER - RAFAELA MANGANELLI - CAROL LUCENA - KLAU PALAGANO - ELISANDRA TORRES - WALLINA MAIA - JOYCE SAMARA - BIANCA GARCIA - SUELEN CAROLINE - DANIELLE MANGANELLI - FERNANDA HARUE - YARA ALMEIDA - MAYARA FREITAS - PRISCILLA PALMA - LAHOANA MOARAES - FHYAMA REIS - KAMILA PASQUINI - SANDY RIBEIRO - MAPHOLE MENENGOLO - TAYNARA GABELINI - DEBORA MARRETA - JESSICA LAIANE - BEATRIS LOUREIRO - RAFA GEHRING - JOCASTA THAIS - AMANDA BIA - VIVIAN BUBLITZ - THAIS BOITO - SAMIA LOPES - BRUNA PALMA - ALINE MILLER - CLEMER COSTA - LUIZA DANIARA – ANA CLAUDIA PICHITELLI – CAMILA BISSONI – ERICA SANTANA - KAROL SOARES - NATALIA CECOTE - MAYARA DOURADO - LUANA COSTA - ANA LUIZA VEIT - CRIS LAZARINI - LARISSA SORRILHA - ROBERTA CARMO - IULY MOTA - KAMILA ALVES - LOISLENE CRISTINA - THAIS THAINÁ - PAMELA LOPES - ISABELI ROSINSKI - GABRIELA SLAVIERO - LIARA CAIRES - FLÁVIA OLIVEIRA - GRAZI MOREIRA - JESSICA SABRINNI - RENATA SILVA -SABRINA SCHERER - AMANDA NATALIÊ - JESSICA LAVRATE - ANA PAULA WESTERKAMP- RENATA DANIELI - GISELLY RUIZ - ENDIARA RIZZO - *DAIANY E DHENISY BARBOSA - KETLY MILLENA - MICHELLE ENUMO - ISADORA GIMENES - GABRIELA DARIENSO - MILENA PILEGI - TAMIRES ONISHI - EVELIN FEROLDI - ELISANGELA SILVA - PAULA FONTANA CAVAZIM - ANNE DAL PRÁ - POLLIANA OGIBOWISKI - CAMILA MELLO - PATRICIA LAURENTINO - FLOR CAPELOSSI - TAMIRES PICCOLI - KATIELLY DA MATTA - BIANCA DONATO - CATIELE XAVIER - JACKELINE MARQUES - CAROL MAZZOTTI - DANDHARA JORDANA - BRENDA GREGÓRIO - DUDA LOPES - MILENA GUILHEN - MAYARA GREGÓRIO - BRUNA BOITO - BETHÂNIA PEREIRA - ARIELLI SCARPINI - CAROL VAZ - GISELY TIEMY -THAIS BISSONI - MARIANA OLIVEIRA - GABRIELA BOITO - LEYLLA NASCIMENTO - JULIANA LUCENA- KRISTAL ZILIO - RAFAELA HERRERA - THAYANA CRISTINA VAZ - TATIANE MONGELESKI - NAYARA KIMURA - HEGILLY CORREIA MIILLER - FRANCIELI DE SANTI - PAULA MARUCHI FÁVERO - THAÍS CAROLINY - IASMIM PAIVA - ALYNE SLAVIERO - ISABELLA MELQUÍADE - ISABELA PICOLLI - AMANDA MENDES - LARISSA RAYRA - FERNANDA BOITO - EMILLY IZA - BIA MAZZOTTI - LETICIA PAIVA - PAOLA SLAVIERO - DAIANA PISCITELLE - ANGELINA BOITO - TALITA SANTOS Estamos ha 6 anos no ar - Mais de 700 acessos por dia, mais de um milhão de visualizações - http://mateusbrandodesouza.blogspot.com.br/- Obrigado por estar aqui, continue com a gente

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

2017 nada fácil para a direita neoliberal

Apesar de 2016 ter sido um ano terrível para as esquerdas da América Latina, este ano trará dificuldades sobretudo para os países que mais confiaram nos EUA.


Por Antonio Luiz M. C. Costa, na revista CartaCapital:

O ano de 2016 não foi nada bom para as esquerdas na América Latina. O golpe jurídico-parlamentar no Brasil e a subsequente vitória das direitas nas eleições municipais foram os mais severos, mas também se viu a eleição de um presidente neoliberal e um Congresso fujimorista no Peru, a derrota em referendo de um muito aguardado plano de paz para a Colômbia, mais um governo conservador na República Dominicana e a derrota da Concertación para a direita na maioria das eleições municipais do Chile, fora reveses menores.

As esquerdas bolivarianas, apesar de tudo, saíram-se menos mal. A crise econômica e política da Venezuela agravou-se, mas Nicolás Maduro continua no poder e sua popularidade, apesar de ter caído para 23%, ainda não é tão ruim quanto a de colegas como o mexicano Enrique Peña Nieto, a chilena Michelle Bachelet e o brasileiro Michel Temer.

A oposição, vitoriosa nas eleições legislativas de 2015, tentou primeiro emendar ilegalmente a Constituição para convocar novas eleições, depois acatá-la e recolher assinaturas para convocar o plebiscito revocatório nela previsto.

Quando o partido chavista obteve do Judiciário o adiamento do processo, tentou a insurreição, mas o fracasso da greve geral marcada para 28 de outubro mostrou à coligação opositora que não tinha o apoio popular que imaginava e a obrigou a aceitar a proposta da Unasul e do Vaticano e sentar-se à mesa para negociar.

Na Bolívia, Evo Morales perdeu, em fevereiro, o referendo com o qual esperava viabilizar mais uma reeleição em 2019. Apesar disso, do escândalo em torno da ex-amante Gabriela Zapata, presa por tráfico de influência e de protestos violentos que incluíram o linchamento de um vice-ministro do Interior por uma turba de mineiros cooperativados, continuou a ser o chefe de Estado mais popular da América Latina.

No fim de 2016, porém, seu prestígio começou a ser abalado pela falta d’água causada pela combinação da pior seca dos 25 anos com o desaparecimento de geleiras nas quais existiram as maiores estações de esqui do mundo e de onde costumava descer água para abastecer a capital.

As cidades de El Alto e La Paz foram submetidas a um severo racionamento, após a perda de 90% das reservas usadas para seu abastecimento. O Lago Poopó, que foi o segundo maior do país (após o Titicaca), desapareceu completamente.

Não há como isso não abalar a popularidade do governo. Neste caso, e em outros, como a crise energética da Venezuela em 2016, a imprevidência pode ter agravado o problema, mas a questão de fundo é o aquecimento global, que elevou a temperatura média nos Andes em 0,7 grau desde os anos 1930.

Os bolivianos estão entre os menos culpados pela emissão de gases de efeito estufa, assim como os camponeses dos Andes peruanos e os sertanejos do Nordeste brasileiro, também sacrificados pelo problema, mas a natureza fará os inocentes pagar pelos pecadores, ou ao menos antes desses.

Rafael Correa, o bolivariano do Equador, tem menos destaque, mas governa com razoável tranquilidade. O ex-guerrilheiro sandinista Daniel Ortega, apesar de gestos autoritários, foi reeleito presidente da Nicarágua com 72% dos votos e folgada maioria no Congresso.

O projeto chinês de um canal interoceânico dividiu opiniões e preocupa ecologistas, mas os eleitores parecem otimistas com as perspectivas desse enorme investimento em tempos de vacas magras no comércio internacional.

À parte a morte de seu irmão Fidel, o presidente Raúl Castro teve um ano bem satisfatório. Barack Obama visitou Havana, as relações diplomáticas com Washington foram restauradas e, o que é mais importante, o anacrônico embargo imposto por John Kennedy começou a ser relaxado, de forma a abrir o caminho a algum comércio e investimento e muito turismo estadunidense em Cuba, o suficiente para trazer perspectivas melhores para 2017. Se Trump não voltar atrás nesses progressos, como discutimos adiante.

E, apesar do revés do referendo, as Farc talvez ainda tenham razões para brindar, cautelosamente, ao ano-novo. A campanha de Álvaro Uribe, com apoio de latifundiários e paramilitares receosos de uma investigação séria de crimes contra a humanidade e apropriação de terras de camponeses, conseguiu persuadir os eleitores colombianos a rejeitar a primeira redação do acordo de paz com o governo do presidente Juan Manuel Santos.

Entretanto, foi assinada uma nova versão, com mais precisão nos detalhes, mas poucas mudanças substanciais além do esvaziamento parcial da Jurisdição Especial da Paz, os tribunais especiais de transição pelos quais a ultradireita e os latifundiários se sentiam ameaçados.

Desta vez, Santos pretende aprová-la no Congresso, onde tem maioria, em vez de arriscar outro plebiscito. Se tudo der certo, a guerrilha entregará as armas para entrar na vida política, com acesso garantido a cadeiras no Parlamento, fundo partidário, estações de rádio e debate aberto sobre o papel dos militares e da ultradireita em massacres e assassinatos políticos.

Quanto às direitas neoliberais, que por vias legítimas ou não chegaram ao poder em 2016 ou 2015, deveriam ser ainda mais cautelosas. Seu ciclo pode mostrar-se bem mais curto do que foi o das esquerdas. Mauricio Macri, Michel Temer e suas equipes chegaram ao poder com a expectativa de reativar os investimentos e a economia com sua mera presença, mas na vida real as economias de seus países se deterioraram ainda mais com o início de seus governos.

O caso argentino pode ser considerado crítico. A inflação acelerou-se com a maxidesvalorização e os tarifaços aplicados após a posse de Macri. Ao contrário do que esperavam os otimistas, não foi um efeito temporário.

Segundo o insuspeito índice da Cidade de Buenos Aires, a inflação nos últimos 12 meses do governo de Cristina Kirchner (até novembro de 2015) ficou em 24%, mas a inflação nos 11 meses seguintes foi de 42%. A inflação de outubro foi de 2,9% e o ano provavelmente fechará em 46%.

As consultorias econômicas estimam a queda do PIB de 1,8% a 2,4%. Combinada com as demissões em massa de funcionários, a redução de poder aquisitivo aumentou a população abaixo do limite de pobreza de algo entre 21% e 23% para mais de 33% até o fim do segundo semestre.

Sequer se pode dizer que o sacrifício ao menos serviu para recuperar a competitividade ou ajustar as contas públicas. Após pagar 9,3 bilhões de dólares aos fundos abutres para recuperar o acesso ao mercado financeiro, o governo ampliou a dívida externa em 53 bilhões, um aumento de 10% do PIB. Como nas crises de 1979, 1989 e 2001, o Estado endivida-se para cobrir despesas correntes e só atrai capitais externos para especulação de curto prazo.

Embora a balança comercial tenha melhorado um pouco em relação a 2015, isso se deveu à queda drástica do consumo e, consequentemente, das importações (cerca de 9% a menos), pois as exportações caíram 2% nos primeiros nove meses. Os sindicatos, novamente unidos na oposição ao governo, exigem um plano de emergência e o congelamento das demissões.

O presidente já viu serem derrotadas várias das suas iniciativas, inclusive a reforma eleitoral e a revogação dos contratos coletivos de trabalho e não pode esperar um Congresso menos hostil. Dificilmente Macri conseguirá reverter a deterioração da economia a tempo de influenciar a seu favor a eleição legislativa de outubro de 2017, ou mesmo depois.

Sua aposta parece ser desmoralizar a oposição com processos contra kirchneristas por corrupção, mas essa é uma faca de dois gumes. Um dos processos, por exemplo, responsabiliza Cristina Kirchner e sua equipe econômica por oferecer garantias contra a desvalorização do peso que fizeram o Estado sofrer perdas.

Entretanto, a causa direta das perdas foi a maxidesvalorização do início do governo Macri e foram seus partidários que fizeram fortunas ao apostar no dólar.

E o quadro argentino, assim como o de outros governos latino-americanos a colocar todas as suas fichas no retorno a um mundo que não mais existe, o do neoliberalismo dos anos 1990, tornou-se especialmente nebuloso com a vitória de Donald Trump em Washington.

A nação mais pesadamente afetada será, obviamente, aquela que há mais tempo e de maneira mais continuada investiu na parceria com o vizinho do Norte: o México.

Desde 1991, a economia mexicana foi reestruturada para atender ao Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, pela sigla em inglês) e à demanda do vizinho do Norte. Vários setores, inclusive grande parte de sua agricultura tradicional, foram varridos pela concorrência dos produtos estadunidenses, o que foi um dos motivos da deflagração da guerrilha zapatista em Chiapas.

Um vasto setor industrial de “maquiladoras” foi criado na fronteira para aproveitar sua mão de obra barata na montagem de automóveis e outros bens duráveis e no empacotamento de produtos diversos destinados aos mercados estadunidense e canadense, à custa do desmantelamento da legislação trabalhista e do movimento sindical.

As maquiladoras somam hoje 2,65 milhões de empregos, ou 5% da população economicamente ativa. Exportam 235 bilhões anuais, 59% do total nacional. As exportações respondem, por sua vez, por 25% do PIB. Em 2015, o México exportou 309 bilhões aos EUA (75% de todas as suas vendas externas) e importou 187 bilhões.

O que acontece se o Nafta for por água abaixo? Em princípio, Trump pode dar aviso prévio de seis meses para se retirar do tratado no primeiro dia de governo. Não parece provável uma medida tão extrema e brusca, mas é certo que o acordo sofrerá, no mínimo, sérias restrições e uma forte erosão.

Também correm o risco de se verem pendurados na brocha outros que esperavam atrair capitais dos EUA e incrementar exportações para esse país, a começar pelos parceiros de Barack Obama na proposta do Tratado Transpacífico, que incluem Peru e Chile.

O quadro peruano não é comparável com o argentino, mas não é tão brilhante quanto o esperado crescimento de 4,2% no PIB de 2016 pode sugerir. O presidente Pedro Pablo Kuczynski enfrentou um escândalo de corrupção nos primeiros cem dias de governo.

Seu médico pessoal, nomeado assessor de saúde, foi gravado dizendo a um amigo que “você não faz ideia da quantidade de grana que vamos ganhar”. Foi rápido em demiti-lo, mas enfrenta uma maioria parlamentar fujimorista, sem nenhum escrúpulo em chantagear o governo e se aproveitar do primeiro passo em falso para derrubá-lo.

Nada mais tolo do que dizer, como Michel Temer, que a ruptura com o México e o Nafta pode abrir oportunidades para o Brasil, ou para qualquer outro país latino-americano. A razão de ser da promessa de campanha de Trump é criar empregos para estadunidenses, não para brasileiros.

Além de cancelar a participação nos EUA no Tratado Transpacífico, Trump fala de dissolver o Nafta e taxar produtos de filiais de transnacionais de seu país no exterior. Quer forçá-las tanto quanto possível a trazer fábricas e empregos de volta ao território nacional.

Se depender de seu governo, os EUA não só deixarão de importar produtos industriais da América Latina como reduzirão seus investimentos, mesmo se isso abrir oportunidades para a China.

Os exportadores de commodities com os quais os EUA não têm interesse em competir, como café ou cobre, são os únicos a não precisar recear barreiras comerciais diretas, mas nem por isso devem sair ganhando.

Ainda que alguns setores da economia estadunidense possam ser beneficiados pelo protecionismo, a expectativa de praticamente todos os economistas é de que a reviravolta nacionalista reduza o comércio internacional e freie o crescimento econômico na média mundial, o que é ruim também para os produtos primários.

O programa de Trump inclui políticas semikeynesianas de reativação da economia baseadas em redução de impostos para os privilegiados, gastos militares e investimentos em infraestrutura. É possível que as medidas acelerem o crescimento do PIB dos EUA a médio prazo e alimentem uma bolha especulativa, e é certo que o Fed reagirá elevando o juro básico, ou de imediato ou assim que a inflação der sinal de aceleração.

Isso reduzirá a disponibilidade de dólares no mercado financeiro, deixará em dificuldades governos e empresas que se endividaram durante o período de juro praticamente nulo e provavelmente valorizará o dólar em relação às outras principais moedas, criando problemas de competitividade para as nações latino-americanas cujas economias foram dolarizadas.

Isso inclui não só aqueles mais associados ao capitalismo estadunidense como também o bolivariano Equador.

O México é o maior, mas não o único ameaçado pela promessa de Trump de expulsar imigrantes em situação irregular. A metade do número estimado de 11 milhões provavelmente veio do México, mas ao menos um quarto deles é de outros países latino-americanos.

Proporcionalmente à população, El Salvador, Guatemala e Honduras têm mais cidadãos nos EUA do que o México, e os números absolutos de Colômbia, Peru, Equador e Brasil também são consideráveis.

Além dos problemas sociais de receber de volta milhares de imigrantes em um ano de crise, desemprego e possível colapso das exportações para os EUA, pode pesar para esses países, principalmente os menores, a perda das remessas enviadas pelos emigrantes para suas famílias.

A Venezuela pode ter certeza da má vontade de Trump. Em uma de suas raras referências à América Latina ao sul do México, prometeu “estar com os oprimidos da Venezuela que quer ser livre e pede ajuda”.

Entretanto, Maduro não esperava melhor tratamento por parte de Hillary Clinton, responsável pelo golpe em Honduras e talvez também no Paraguai. Do ponto de vista de Caracas, a vitória republicana não chega a piorar suas perspectivas.

Em relação a Cuba, a posição de Trump é menos extrema que a de muitos republicanos e não muito distante da corrente principal do partido.

Não se disse contrário, em princípio, ao diálogo, mas para ele Obama fez um “acordo ruim” e promete impor mais condições para manter a abertura iniciada ao turismo e a alguns investimentos.Pode não ser nada demais, mas, por via das dúvidas, Havana organizou uma série de exercícios militares assim que se definiu o resultado da eleição em Washington.

Tampouco se pode contar com acordos comerciais com Bruxelas para amortecer as incertezas criadas por Washington. Pelo contrário, pode-se recear do Velho Mundo novos sustos. Mesmo que as eleições da França, da Alemanha e talvez também da Itália em 2017 não tragam mais governos de direita populista, a desintegração da União Europeia e a perspectiva de um colapso do comércio e das finanças internacionais pior que o de 2008, a ascensão do nacionalismo conservador significa menos disposição para aberturas a produtos do resto do mundo, inclusive importações agrícolas da América Latina.

Mesmo em vias de desaceleração, a economia chinesa é a última palha à qual as economias mais voltadas para o mercado externo poderão se agarrar, principalmente aquelas que contavam com o Tratado Transpacífico, concebido por Obama para tentar isolar a influência de Pequim.

O efeito mais duradouro de um governo Trump talvez venha a ser o fortalecimento da presença do dragão nessa região que há três anos John Kerry, o vice de Obama, insistia em chama

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...